Portugal afirma o "elevado" objetivo de se tornar neutro em carbono

Ministro do Ambiente sublinhou que o objetivo do país é ser neutro em termos de carbono na primeira metade deste século XXI

O ministro do Ambiente caracterizou hoje como "elevado" o objetivo de Portugal de conseguir ser um país neutro em termos de carbono no final da primeira metade deste século, na comemoração do 10.º aniversário da ICAP (Internacional Carbon Action Partnership).

No discurso de abertura da cerimónia, perante representantes de vários países da organização, João Pedro Matos Fernandes sublinhou o objetivo do país, referindo que, como nação, se pretende ser neutro em termos de carbono na primeira metade deste século XXI.

Para esta "muito exigente tarefa", é necessária a "vontade de toda a sociedade" e as parcerias estabelecidas com a União Europeia e os seus membros, mas "também com outras jurisdições", acrescentou.

O ministro recordou que a ICAP foi criada há 10 anos durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e que se tornou no que os seus fundadores desejavam: "um fórum real e de ação orientada" para o mercado de carbono.

"Os fundadores do ICAP estavam bem cientes dos controlos importantes das emissões que requeriam soluções como os mercados de carbono", assim como da complexidade e da dificuldade de colocar em prática e que o ponto fundamental era a "troca de experiência" entre as partes.

Em uma década, a ICAP passou de 15 governos para 31 participantes e quatro observadores, notou ainda.

Nesta sessão, intervieram representantes governamentais da Alemanha, Japão, México, Ucrânia, Califórnia (Estados Unidos), Nova Iorque (Estados Unidos).

Ao longo do dia decorrem discussões, por exemplo, sobre a cooperação internacional do mercado de carbono, a negociação de emissões e as estratégias climáticas a longo prazo.

O mercado de carbono é um instrumento com perspetiva comercial e ecológica, desenvolvido como uma forma de incentivo para o cumprimento das regras de redução de emissão dos chamados gases de efeito estufa, estabelecidas pelo Protocolo de Quioto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.