Portugal afirma o "elevado" objetivo de se tornar neutro em carbono

Ministro do Ambiente sublinhou que o objetivo do país é ser neutro em termos de carbono na primeira metade deste século XXI

O ministro do Ambiente caracterizou hoje como "elevado" o objetivo de Portugal de conseguir ser um país neutro em termos de carbono no final da primeira metade deste século, na comemoração do 10.º aniversário da ICAP (Internacional Carbon Action Partnership).

No discurso de abertura da cerimónia, perante representantes de vários países da organização, João Pedro Matos Fernandes sublinhou o objetivo do país, referindo que, como nação, se pretende ser neutro em termos de carbono na primeira metade deste século XXI.

Para esta "muito exigente tarefa", é necessária a "vontade de toda a sociedade" e as parcerias estabelecidas com a União Europeia e os seus membros, mas "também com outras jurisdições", acrescentou.

O ministro recordou que a ICAP foi criada há 10 anos durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e que se tornou no que os seus fundadores desejavam: "um fórum real e de ação orientada" para o mercado de carbono.

"Os fundadores do ICAP estavam bem cientes dos controlos importantes das emissões que requeriam soluções como os mercados de carbono", assim como da complexidade e da dificuldade de colocar em prática e que o ponto fundamental era a "troca de experiência" entre as partes.

Em uma década, a ICAP passou de 15 governos para 31 participantes e quatro observadores, notou ainda.

Nesta sessão, intervieram representantes governamentais da Alemanha, Japão, México, Ucrânia, Califórnia (Estados Unidos), Nova Iorque (Estados Unidos).

Ao longo do dia decorrem discussões, por exemplo, sobre a cooperação internacional do mercado de carbono, a negociação de emissões e as estratégias climáticas a longo prazo.

O mercado de carbono é um instrumento com perspetiva comercial e ecológica, desenvolvido como uma forma de incentivo para o cumprimento das regras de redução de emissão dos chamados gases de efeito estufa, estabelecidas pelo Protocolo de Quioto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.