Plástico das praias vai ser transformado em equipamentos desportivos

Iniciativa vai decorrer em 14 praias de norte a sul do país. Tem o apoio institucional da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da Quercus

Se na próxima vez que for à praia se deparar com um depósito gigante de plástico, não estranhe. É lá que deve colocar os resíduos plásticos que encontrar, ou mesmo os que levar de casa, para que sejam transformados em equipamentos de atividade física, que posteriormente vão ser colocados na praia.

É esta a promessa do projeto "TransforMAR", uma iniciativa do Lidl Portugal, da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) e da Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos (Amb3e), apresentada hoje, às 16.00, junto à praia do CDS, na Costa da Caparica. A ação decorre de 15 de junho a 19 de agosto, em 14 praias de norte a sul do País, e conta com o apoio institucional da Agência Portuguesa do Ambiente e da Quercus.

"O objetivo é sensibilizar as pessoas que estão na praia para a necessidade de recolha e separação do plástico. Oitenta por cento da poluição marinha é plástico. É urgente reduzir o consumo", diz ao DN Catarina Gonçalves, coordenadora nacional do Programa Bandeira Azul.

O depósito - "plasticódromo" - será colocado à entrada da praia e convida a que os veraneantes ali coloquem os resíduos plásticos, evitando que o seu destino final seja o mar. Ficará, em média, três dias em cada praia e tem a particularidade de dar a conhecer à comunidade o número de artigos recolhidos por hora e o respetivo peso em quilogramas, ao final do dia.

Mais plástico, mais equipamentos

Posteriormente, o plástico recolhido "será levado para reciclagem e transformado em equipamentos integrados de atividade física" para equipar as respetivas praias. Quer isto dizer, frisa a organização, que "quanto mais se reciclar mais a praia irá ganhar".

Além da praia do CDS, na Costa da Caparica, o "plasticódromo" vai passar por outras 13 praias: Leça da Palmeira, Matosinhos, Baía (Espinho), Furadouro (Ovar), Aguda (Vila Nova de Gaia), Relógio (Figueira da Foz), Carcavelos, Santo Amaro (Oeiras), CDS (Almada), Armação de Pêra (Silves), Rocha (Portimão), Pescadores (Albufeira) e Quarteira (Loulé).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.