PJ investiga patrocínio da EDP a curso ministrado por Manuel Pinho

Curso era sobre energias renováveis na Universidade de Columbia, nos EUA

A Polícia Judiciária estará a investigar a criação de um curso em Nova Iorque, na Universidade de Columbia, sobre energias renováveis, diz a SIC Notícias, citando fonte próxima da investigação. Este curso teve como um dos professores Manuel Pinho, ex-ministro da Economia.

Em causa está o patrocínio da EDP à criação deste curso.

Criado em 2010, e com a EDP como "sponsor" (patrocinador), a empresa acarretava com parte dos custos. Um dos professores convidados a lecionar foi Manuel Pinho, ex-ministro da Economia e amigo de António Mexia.

A PJ realizou esta sexta-feira buscas na REN, EDP e The Boston Consulting Group, no âmbito de um processo que investiga corrupção ativa e passiva. António Mexia, presidente da EDP, e João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, foram constituídos arguidos na sequência da investigação da PJ.

Segundo uma informação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), "o inquérito tem como objeto a investigação de factos subsequentes ao processo legislativo bem como aos procedimentos administrativos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC)".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.