Seis meses depois dos incêndios, bombeiro teve alta hospitalar

Rui Rosinha foi um dos quatro bombeiros da corporação local que ficaram internados na sequência do incêndio que deflagrou em 17 de junho

O bombeiro de Castanheira de Pera Rui Rosinha regressou hoje a casa seis meses depois de ter sido hospitalizado na sequência do incêndio de Pedrógão Grande.

"O Rui Rosinha regressou hoje a casa. Vai continuar a fazer fisioterapia em Castanheira de Pera, na unidade da Santa Casa da Misericórdia", disse à agência Lusa o comandante dos bombeiros de Castanheira de Pera, José Domingues.

Rui Rosinha foi um dos quatro bombeiros da corporação local que ficaram internados na sequência do incêndio que deflagrou em 17 de junho, em Pedrógão Grande, e que causou 66 vítimas mortais.

O bombeiro esteve internado em dois hospitais do Porto e, posteriormente, foi transferido para os Hospitais da Universidade de Coimbra, onde esteve em recuperação.

"É um dia muito feliz", afirmou José Domingues.

O comandante adiantou ainda que a jovem bombeira de 24 anos, da corporação de Castanheira de Pera, que também esteve internada devido aos ferimentos sofridos no mesmo incêndio, voltou a ser internada para ser submetida a uma nova intervenção cirúrgica à perna direita.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.