20 anos depois, o Pavilhão de Portugal vai ser requalificado

Estrutura que acolheu a representação portuguesa durante a exposição mundial vai acolher um centro de congressos, um centro de exposições e um centro de receção de visitantes internacionais

O Pavilhão de Portugal, que acolheu a representação portuguesa na Expo'98 e atualmente pertence à Universidade de Lisboa, vai ser reabilitado para receber um centro de congressos, um de exposições e outro de receção de visitantes internacionais.

As obras foram outorgadas através de uma resolução de Conselho de Ministros publicada esta terça-feira em Diário da República, que autoriza a Universidade de Lisboa a realizar a despesa necessária à celebração da obra.

A empreitada de reabilitação e requalificação do Pavilhão de Portugal vai decorrer entre 2019 e 2021, num investimento máximo global de 9,3 milhões de euros, acrescidos de IVA.

O Pavilhão de Portugal irá acolher um centro de congressos, com um auditório polivalente e capacidade de 650 lugares, permitindo a sua subdivisão em dois auditórios autónomos, um conjunto mínimo de nove salas, uma receção e salas de apoio.

Será ainda disponibilizado um centro de exposições, de caráter modular, onde possam ser organizadas simultaneamente diferentes exposições, destinado, nomeadamente, à divulgação e promoção do conhecimento e ao usufruto público do vasto espólio científico, cultural e artístico da Universidade de Lisboa.

O Pavilhão acolherá ainda um centro de receção de visitantes internacionais, adequado à internacionalização da Universidade de Lisboa, que irá permitir o funcionamento dos serviços de acolhimento a estudantes, docentes e investigadores associados à atividade académica da Universidade.

Serão ainda requalificados os espaços comuns, desenvolvida uma nova conceção de circulação, atualizados os sistemas de segurança e reabilitados os sistemas de ar condicionado e de iluminação.

A reabilitação e requalificação do Pavilhão de Portugal irá manter a traça do edifício, além de aumentar a ligação complementar entre o Edifício Principal e a Pala Cerimonial.

Ex-líbris da exposição que esta terça-feira completa 20 anos, o Pavilhão de Portugal, desenhado pelo premiado arquiteto Siza Vieira, foi utilizado para diversas finalidades nas últimas duas décadas, acolhendo eventos dispersos, sem traço de continuidade ou organização programática.

O Pavilhão, classificado como Monumento de Interesse Público, constitui um marco da arquitetura e da cultura portuguesas, fazendo parte, desde 01 de agosto de 2015, do património da Universidade de Lisboa

Segundo a resolução do Conselho de Ministros, os encargos financeiros decorrentes da presente resolução são suportados por verbas do orçamento da Universidade de Lisboa, estando assegurada a respetiva cobertura orçamental por receitas gerais e por receitas próprias, na proporção de 43,4 % e 56,4 % respetivamente.

Foram ainda delegados no Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior a competência para a prática de todos os atos a realizar no âmbito do procedimento de formação do contrato público para a realização da reabilitação e requalificação do edifício.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.