Paulo Cafôfo concorre ao Funchal com nova coligação

A nova coligação será composta por PS, BE, JPP, PDR e Nós Cidadãos, revelou hoje o presidente e candidato ao município

Paulo Cafôfo, cabeça de lista da candidatura que em 2013 destronou pela primeira vez o PSD na Câmara do Funchal, volta a concorrer ao município, desta vez com uma coligação que integra o JPP, o Nós Cidadãos e o PDR.

A nova coligação será composta por PS, BE, JPP, PDR e Nós Cidadãos, revelou hoje à agência Lusa Paulo Cafôfo.

Em 2013, a coligação "Mudança" integrou PS, BE, PND, MPT, PTP e PAN, tendo vencido as eleições com 39,22%. O PND acabou por abandonar a coligação.

Referindo que "ainda decorrem negociações", o candidato independente apoiado pelos cinco partidos anunciou ainda que o nome da coligação será alterado para "Confiança" pelo "trabalho desenvolvido nos últimos quatro anos".

"Temos um projeto já concretizado e entendemos que devemos dar continuidade ao que já iniciámos, nomeadamente no envolvimento dos cidadãos, numa nova postura democrática, e também no desenvolvimento económico, na criação de oportunidades", afirmou o autarca, de 45 anos, exemplificando com os progressos verificados na reabilitação urbana do Funchal (Madeira) ou na renovação de bairros camarários.

O trabalho tem contado com "o apoio e a solidariedade" do Governo da República, liderado por António Costa.

Na nova coligação que concorre às eleições autárquicas de 01 de outubro sobressai o JPP (Juntos Pelo Povo), partido legalizado em 2015 e que teve origem num movimento de cidadãos do concelho de Santa Cruz, na Região Autónoma da Madeira.

O partido passou em 2013 a governa este município.

Há menos de um mês, o primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, esteve na Madeira reunido com a direção do JPP.

Depois do encontro este partido declarou o apoio à recandidatura de Paulo Cafôfo à presidência do Funchal.

No início do mandato, Paulo Cafôfo viu o vereador Gil Canha (ex-PND) recusar ficar sem as áreas do Planeamento Estratégico e da Fiscalização Municipal, um processo que culminou no seu afastamento da vereação.

A então vice-presidente do município, a independente Filipa Jardim Fernandes, e o vereador representante do PTP, José Edgar Silva, acabaram também por renunciar aos seus mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.