Ovar é melhor alternativa que Tancos, diz Azeredo Lopes

"Prefiro uma solução mais equilibrada territorialmente", afirmou

O ministro da Defesa privilegia Ovar no novo dispositivo da Força Aérea em detrimento de Tancos, no quadro das alterações impostas pela abertura da base do Montijo à aviação civil. "Já estamos perto da solução" a aprovar, adianta Azeredo Lopes ao DN.

Questionado sobre um processo que levou a Força Aérea a apresentar este ano um segundo estudo sobre as implicações do futuro aeroporto complementar de Lisboa, Azeredo Lopes não hesitou: "Prefiro uma solução mais equilibrada territorialmente" e que favoreça "uma maior representatividade" do ramo "junto da população", desde logo porque essa maior proximidade reforça a perceção de segurança dos cidadãos.

Ao contrário do primeiro estudo (2017), onde a Força Aérea propunha a reativação da base aérea de Tancos como elemento central da reforma do seu dispositivo de forças, o novo documento indica o Aeródromo de Manobra nº1 - a 30 quilómetros do Porto - como base dos meios aéreos médios e pesados de combate aos fogos. Essa opção é complementada com o envio para Beja das esquadras de transporte (C-130 e C-295).

O referido equilíbrio territorial decorre do alargamento da presença da Força Aérea ao norte do país, sendo que Ovar - ao contrário de Tancos - ocupa uma posição central face às regiões (norte e centro) onde ocorrem mais incêndios.

"A função do Governo é garantir que tudo funcione de forma harmoniosa", num processo complexo que envolve compatibilizar as obras no Montijo com as que precisam de ser feitas nas infraestruturas da Força Aérea que irão receber o que está naquela base aérea, enfatizou ainda Azeredo Lopes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.