Multa até 750 euros a quem tirar fotocópia do cartão do cidadão

Governo quer acabar com as fotocópias do documento, que são ilegais, apesar de a prática ser corrente, incluindo nos serviços públicos

Se lhe pedirem uma fotocópia do cartão do cidadão, não é obrigado a dar. Exigi-lo é, aliás, ilegal. Mas, como a prática é tão frequente e, ao mesmo tempo, tão perigosa para a usurpação de dados pessoas, o Governo está a legislar no sentido de travá-la, nomeadamente através de um multa que pode chegar aos 750 euros a quem tirar uma fotocópia do seu cartão sem autorização.

Citada pelo Jornal de Negócios, a porta-voz da Comissão Nacional de Proteção de Dados, aplaude a iniciativa, já a ser debatida no parlamento, e considera que dará mais mecanismos ao cidadão para se defender numa situação de pressão entre o dar a fotocópia e o obter ou não determinado serviço.

Desde 2007, quando o cartão do cidadão veio substituir o bilhete de identidade, que é proibido reter ou tirar fotocópias do documento de outrém. No entanto, não há sanções para quem o faz.

Maria Manuel Leitão Mendes, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, chamou a atenção para esta questão em abril, na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa. "Eu costumo dizer: eu até dou, mas dou porque quero porque é proibido por lei", salientou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.