Juiz perguntou, ela respondeu. Vendia droga por "amor"

Mulher confessa que vendia droga por "amor" aos seus dois ex-companheiros

Uma mulher confessou hoje no Tribunal de Aveiro que se dedicava a traficar droga, justificando a atividade com o "amor" pelos seus companheiros de então, coarguidos no processo que começou a ser julgado.

A mulher começou hoje a ser julgada no Tribunal de Aveiro, num processo por tráfico de droga, juntamente com mais dois ex-companheiros. Os três estão em prisão preventiva.

O processo tem ainda mais cinco arguidos (duas mulheres e três homens).

Todos os arguidos estão acusados de um crime de tráfico e outras atividades ilícitas. Dois deles respondem ainda por um crime de recetação e um outro por detenção de arma proibida.

Questionada pelo coletivo de juízes, a mulher confessou os factos, mas negou que os arguidos formassem um grupo. "Cada um vendia para si e cada um tinha os seus lucros", afirmou.

"Isto não tem explicação. É o amor", disse a arguida, perante o coletivo de juízes.

A arguida admitiu que chegou a adquirir juntamente com o seu companheiro entre 250 a 300 euros de droga diariamente no Porto para vender a toxicodependentes.

De acordo com a investigação, os arguidos adquiriam cada dose por cinco euros que vendiam pelo dobro, obtendo um lucro mensal de 12 mil euros.

Em outubro de 2016, a mulher separou-se do companheiro e iniciou uma relação amorosa com outro homem, toxicodependente, continuando a dedicar-se ao tráfico.

Segundo a acusação do Ministério Público, os arguidos dedicaram-se à venda de cocaína, heroína e haxixe, entre abril de 2014 e março de 2017.

Os arguidos foram detidos pela GNR em março de 2017, nos concelhos de Águeda e Anadia.

Durante a operação, foram realizadas 16 buscas domiciliárias e não domiciliárias que permitiram apreender quase 700 doses de droga (haxixe, cocaína e heroína), além de 12.500 euros em dinheiro, uma arma de alarme, 18 telemóveis e uma viatura ligeira de mercadorias, entre outros artigos relacionados com o tráfico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.