Juiz perguntou, ela respondeu. Vendia droga por "amor"

Mulher confessa que vendia droga por "amor" aos seus dois ex-companheiros

Uma mulher confessou hoje no Tribunal de Aveiro que se dedicava a traficar droga, justificando a atividade com o "amor" pelos seus companheiros de então, coarguidos no processo que começou a ser julgado.

A mulher começou hoje a ser julgada no Tribunal de Aveiro, num processo por tráfico de droga, juntamente com mais dois ex-companheiros. Os três estão em prisão preventiva.

O processo tem ainda mais cinco arguidos (duas mulheres e três homens).

Todos os arguidos estão acusados de um crime de tráfico e outras atividades ilícitas. Dois deles respondem ainda por um crime de recetação e um outro por detenção de arma proibida.

Questionada pelo coletivo de juízes, a mulher confessou os factos, mas negou que os arguidos formassem um grupo. "Cada um vendia para si e cada um tinha os seus lucros", afirmou.

"Isto não tem explicação. É o amor", disse a arguida, perante o coletivo de juízes.

A arguida admitiu que chegou a adquirir juntamente com o seu companheiro entre 250 a 300 euros de droga diariamente no Porto para vender a toxicodependentes.

De acordo com a investigação, os arguidos adquiriam cada dose por cinco euros que vendiam pelo dobro, obtendo um lucro mensal de 12 mil euros.

Em outubro de 2016, a mulher separou-se do companheiro e iniciou uma relação amorosa com outro homem, toxicodependente, continuando a dedicar-se ao tráfico.

Segundo a acusação do Ministério Público, os arguidos dedicaram-se à venda de cocaína, heroína e haxixe, entre abril de 2014 e março de 2017.

Os arguidos foram detidos pela GNR em março de 2017, nos concelhos de Águeda e Anadia.

Durante a operação, foram realizadas 16 buscas domiciliárias e não domiciliárias que permitiram apreender quase 700 doses de droga (haxixe, cocaína e heroína), além de 12.500 euros em dinheiro, uma arma de alarme, 18 telemóveis e uma viatura ligeira de mercadorias, entre outros artigos relacionados com o tráfico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.