PSD. Militantes inscritos em bloco fazem distrital de Aveiro maior que Lisboa

Militantes irregulares, quotas pagas em bloco, um ex-governante e o líder parlamentar como mandatários. Aveiro tornou-se a segunda distrital com mais delegados ao congresso

No próximo sábado Pedro Passos Coelho vai a votos sozinho para a liderança do PSD, tendo por isso a eleição garantida. Mas, no mesmo dia (5 de março) há uma estrutura do partido que vai a votos e cuja batalha eleitoral está animada: a distrital do PSD de Aveiro. Dezenas de militantes na mesma morada, quotas pagas à pressa e em bloco e um ex-governante (Hermínio Loureiro) e o líder parlamentar (Luís Montenegro) como mandatários dos dois lados da barricada. A

É caso para perguntar: o que é que Aveiro tem? O fluxo anormal de militantes inscritos nos últimos meses devido a estas eleições levou, como se pode constatar na última edição do Povo Livre, a que a distrital de Aveiro se tornasse na segunda maior do país (85 delegados ao congresso), destronando Lisboa AM (76), sendo apenas mais pequena que a do Porto. Ao todo, apurou o DN, o distrito tem hoje 6963 militantes.

Em dois meses do último verão (junho e julho) foram inscritos 418 militantes na secção de Ovar, dos quais 271 pertencem à freguesia de Esmoriz e 80 tinham residência na rua dos Pescadores. Este fluxo anormal levou até o atual presidente da distrital e candidato Ulisses Pereira a falar em "fortes indícios de irregularidades graves e de viciação". Além disso, há 121 novos inscritos que partilham três números de telemóvel: um número com 77, outro com 33 e outro com 11.

Na última semana ficou a saber-se que, além de apoiante, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, é mesmo o mandatário da candidatura de Ulisses Pereira, que enfrenta o presidente da câmara municipal de Ovar, Salvador Malheiro. O autarca estava em aparente vantagem, mas o atual presidente do PSD/Aveiro (também apoiado pelo presidente da câmara de Aveiro, Ribau Esteves) conseguiu equilibrar as coisas.

Apesar de tudo, como o DN já tinha avançado a jogada em Aveiro é arriscada para o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, que se expõe como líder dos deputados do PSD se perder na sua distrital. No vídeo de apoio, Montenegro envolveu-se até numa troca de farpas com o antigo presidente da distrital António Topa. O líder parlamentar atacou um "vice-presidente que esteve ao lado do presidente ao longo dos últimos quatro anos, por motivos que só podem ser menores colocar em causa esta liderança." Na resposta, António Topa, no Facebook, criticou Montenegro: "Intervenção com uma parte final vergonhosa, indigna de um dirigente nacional do PSD sem qualquer sentido de responsabilidade."

No final da última semana foi a vez de um antigo governante, Hermínio Loureiro dar apoio ao candidato que enfrenta o atual líder. Numa declaração em que apelou ao voto em Salvador Malheiro, o antigo secretário de Estado adverte que "o PSD em Aveiro tem de ser um partido com valores e princípios, verdadeiramente social-democratas mas permeável à inovação, criatividade e imaginação". Hermínio Loureiro considerou ainda esta "uma candidatura unificadora com um projeto realista, galvanizador e agregador".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.