Metro de Lisboa lança plataforma digital de solidariedade

Plataforma REDE procura unir os que mais precisam com os que pretendem ajudar voluntariamente

O Metropolitano de Lisboa anunciou hoje o lançamento da plataforma REDE -- Renascer, Erguer, Dedicar e Envolver, que pretende ligar os que mais precisam com aqueles que, de forma voluntária, querem ajudar.

Em colaboração com a empresa de soluções multiplataformas Create It, o Metro de Lisboa assume o seu compromisso na promoção de uma estratégia empresarial no domínio da responsabilidade social e da cidadania. A plataforma surgiu no contexto do apoio à reconstrução das áreas atingidas pelos incêndios ocorridos em Portugal em outubro de 2017, tendo Oliveira do Hospital como concelho pioneiro. Pretende-se, agora, que mais concelhos entrem na REDE, registando as suas necessidades.

Deste modo, a REDE torna-se num mercado solidário que pretende ligar, de forma digital, os dadores -- todos os que queiram contribuir, sejam particulares ou entidades publicas, coletivas ou privadas -- e as entidades beneficiárias -- como autarquias ou Instituições Particulares de Solidariedade Social -- que registam na plataforma os bens e serviços necessários à população que ajudam.

De acordo com a informação divulgada pelo Metro de Lisboa, o aumento de entidades beneficiárias e doadoras, mesmo fora do contexto inicial do projeto, proporciona "uma nova ambição", esperando-se o seu crescimento para uma dimensão nacional, como uma ferramenta solidária útil e credível, quer nos cenários de pós-catástrofe, quer no quotidiano, sendo uma plataforma aberta à comunidade.

A REDE pretende assim facilitar a satisfação das necessidades registadas pelas entidades beneficiárias que publicam e atualizam os respetivos anúncios, permitindo aos doadores conhecer quais os bens e serviços mais necessários e urgentes em cada momento e, de forma simples, contactar a entidade beneficiária e combinar a entrega do bem ou serviço que pretende doar.

Através da REDE será igualmente possível o reforço do tecido empresarial nas zonas mais necessitadas. Para esse efeito, pode existir na plataforma redesolidaria.pt uma listagem de fornecedores com capacidade produtiva, gerida pelos concelhos, para que possam ser selecionados e contratados.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.