Medo e adrenalina dominam "mundo" da "família" dos forcados

Temporada tauromáquica em Portugal arranca no dia 1 de fevereiro. Em 2017, ficou marcada pelas mortes dos forcados Pedro Miguel Primo, de 25 anos, dos amadores de Cuba, e Fernando Quintela, de 26, dos amadores de Alcochete

O desafio de vencer o medo e "viver" uma "boa dose" de adrenalina é um dos fatores que leva um jovem a ingressar num grupo de forcados, formação que desenvolve uma atividade que extravasa os dias de corrida.

Este é também o espírito que guia o Grupo de Forcados Amadores de Arronches (Portalegre), um dos mais de 40 grupos de forcados existentes em Portugal, dias antes da abertura da temporada tauromáquica, a 1 de fevereiro, em Mourão (Évora).

"Ser cabo (homem que dirige o grupo de forcados) é desempenhar a função 24 horas por dia, durante o ano todo. Nós temos de ser cabos dentro e fora de praça, pois há miúdos que têm problemas em casa e nós temos de os acompanhar em tudo", explica à agência Lusa o cabo dos amadores de Arronches, Manuel Cardoso.

No período de defeso, época em que não há corridas de touros (entre 01 de novembro e 31 de janeiro), os grupos de forcados promovem convívios, mas também treinos com gado bravo, pelo menos até ao mês de abril, para aperfeiçoar a técnica, corrigir erros e acolher novos elementos.

"Um treino serve essencialmente para os mais velhos aperfeiçoarem as suas técnicas e, aos mais novos, para adquirirem novas técnicas. E também serve para a rapaziada nova querer integrar um grupo de forcados que tem um ambiente de família", explica.

Num treino a que a Lusa assistiu, em Portalegre, o cabo dos amadores de Arronches falou aos seus "pupilos" das primeiras corridas de toiros em que vão participar e, olhando para o gado bravo que enfrentavam, deu indicações de como se recua na cara de um animal e como deve ocorrer a reunião (momento do contacto), entre outros pormenores que compõem uma pega de caras, que conta com oito elementos em praça.

Mais antigo na função, Ricardo Porto Nunes recorda que foi forcado do grupo de Arronches desde a sua fundação, em 1999, e desempenhou o papel de cabo entre 2006 e 2015, ano em que Manuel Cardoso "agarrou" o grupo, tendo ficado para si a "lição" de que o "mundo dos forcados" é "uma escola de vida" e uma "segunda família".

"É tudo uma adrenalina, é toda uma experiência, pormo-nos à prova. Acima de tudo gostamos muito de nos pôr à prova como homens que somos e tentarmos testar os nossos limites. E é com medo que nos pomos lá diante. Isto é tão bonito, tão bonito, que até quando corre bem magoa", ironiza.

Entre os mais jovens, a opinião é partilhada por Gabriel Pimenta, de 17 anos, que optou por entrar para os forcados de Arronches, em 2017, pela "ambição" de pegar touros e pela "alegria" de enfrentar o medo com os amigos, que, após as corridas, recebem um "cachet" que serve apenas para pagar os jantares da "rapaziada".

Mas, os dias nem sempre são de festa e a temporada tauromáquica de 2017 ficou marcada pelas mortes, ocorridas em setembro, dos forcados Pedro Miguel Primo, de 25 anos, dos amadores de Cuba, e Fernando Quintela, de 26, dos amadores de Alcochete, na sequência de colhidas em corridas de toiros realizadas, respetivamente, em Cuba (Beja) e Moita do Ribatejo (Setúbal).

O grupo de Arronches também 'sofreu na pele' com a grave colhida de um forcado, no ano passado, numa corrida de touros em França, tendo o jovem passado por diversos hospitais e sido, posteriormente, detetada uma grave lesão no fígado.

"O Vasco Mouzinho esteve quase a falecer, mas graças a Deus está cá connosco e o espírito de grupo não foi abaixo. No caso do Fernando e do Pedro, claro que todos os grupos sentem. Eu, como cabo, também senti", lamenta Manuel Cardoso.

Já Gabriel Pimenta, de uma forma mais pragmática, observa que estas situações "acontecem a todos", reconhecendo que os forcados sabem "com o que estão a lidar".

A temporada tauromáquica em Portugal arranca no dia 1 de fevereiro, em Mourão, no distrito de Évora, com a realização de um festejo taurino que reúne jovens figuras do toureio de Portugal, Espanha e França.

Inserida nas tradicionais festas em honra de Nossa Senhora das Candeias, a iniciativa vai reunir em praça, a partir das 15:00, os cavaleiros Francisco Palha e David Gomes, cabendo as pegas aos forcados amadores de Santarém.

Na parte apeada, vão estar em praça o matador francês Juan Leal, o novilheiro português João D'Alva, o recente triunfador da oportunidade aos jovens na praça de touros de Vistalegre em Madrid (Espanha), Manuel Perera, e o jovem Luís Silva, sendo lidados exemplares da divisa de Calejo Pires.

De acordo com dados divulgados pela Inspeção Geral das Atividades Culturais (IGAC), no seu sítio da Internet, foram realizados 181 espetáculos tauromáquicos, no ano passado, em Portugal e registado, entre 2016 e 2017, um aumento de 15.895 espetadores, o que representa um acréscimo de 4,39%, situação que não ocorria desde 2010.

A temporada tauromáquica abre todos os anos no dia 1 de fevereiro em Mourão e, na maioria das ocasiões, encerra a 1 de novembro com um espetáculo no Cartaxo, no distrito de Santarém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.