Medina admite subir taxa turística em Lisboa

Bloco queria duplicar a taxa de um euro por noite. Medina recusou, mas comprometeu-se a reavaliar o valor até ao início de 2019

Em 2018 não haverá alterações ao valor da taxa que é cobrada aos turistas que pernoitam em Lisboa, mas dentro de dois anos o atual montante de um euro poderá sofrer um aumento. Este é um cenário admitido por socialistas e bloquistas, que inscreveram no acordo firmado para a câmara da capital que o "valor da taxa será reavaliado até 1 de janeiro de 2019". Foi a solução de compromisso encontrada entre as duas partes, que durante as negociações não chegaram a acordo quanto à subida imediata da taxa, uma exigência que o BE, pela mão do agora vereador Ricardo Robles, levou para a mesa das negociações.

Tal como defenderam na campanha eleitoral, os bloquistas queriam que a taxa subisse para os dois euros - o valor que Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, tem defendido para a Invicta - de forma a aumentar as receitas e investir quer na área da higiene urbana, quer na dos transportes públicos, sobretudo nas zonas da cidade que estão a sofrer maior pressão turística. Fernando Medina disse que sim a esta segunda exigência, que ficou escrita no acordo de governação para a autarquia divulgado na passada semana, mas não deu para já assentimento à primeira, remetendo uma nova reapreciação para o próximo ano, que terá de estar concluída logo no início de 2019. Entre os bloquistas não há dúvidas quanto ao desfecho dessa reavaliação - a taxa é para subir. Entre os socialistas este cenário também é admitido, embora não seja dado como totalmente fechado.

Fonte camarária diz ao DN que o objetivo passa por avaliar primeiro a execução da taxa turística municipal, que no ano passado rendeu à autarquia treze milhões e meio de euros, e só depois tomar uma decisão quanto a alterações ao valor que é cobrado aos turistas. Para já, a convicção é que as receitas obtidas com a taxa são suficientes para acomodar as exigências dos bloquistas quanto à higiene urbana (que já recebe, aliás, uma parte das receitas) e os transportes públicos, que atualmente não são financiados por esta via.

A taxa municipal turística, em vigor na capital desde 1 de janeiro de 2016, traduz-se na cobrança de um euro por noite, até ao valor máximo de sete euros por dormida (por cada hóspede) em empreendimentos turísticos e estabelecimentos de alojamento local - que cobram aquele montante aos respetivos hóspedes e o entregam à câmara. No primeiro ano de aplicação, a taxa rendeu cerca de 13,5 milhões de euros à autarquia. O orçamento deste ano prevê arrecadar 15 milhões.

As receitas obtidas com a taxa turística são geridas pelo Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa que, de acordo com dados da autarquia, tem previstos 18,2 milhões de euros em investimentos a realizar na capital até 2019. Entre os projetos financiados pelo fundo (em muitos casos com comparticipação de outras entidades) estão a conclusão da requalificação do Palácio Nacional da Ajuda, a construção do Museu Judaico de Lisboa ou o terminal de atividade marítimo-turística na antiga estação fluvial Sul e Sueste, junto ao Terreiro do Paço. Também o programa municipal Lojas com História é financiado por este fundo. Fernando Medina anunciou, entretanto, um investimento de 900 mil euros, até 2019, na área da higiene urbana nas freguesias mais afetadas pelo turismo, também com origem nas receitas da taxa turística.

Agora, a Câmara de Lisboa compromete-se a retirar da taxa de dormida o financiamento também para apostar numa melhoria dos transportes públicos nas zonas históricas da cidade, mas sem que haja um comprometimento prévio quanto a valores ou aos termos exatos desse reforço. O texto do acordo diz que "consultado o Comité de Investimentos do Fundo de Desenvolvimento Turístico, a Câmara Municipal de Lisboa decidirá sobre as receitas do mesmo, nomeadamente para as áreas da higiene urbana e dos transportes públicos nas zonas de maior pressão turística". Neste caso a decisão fica adstrita diretamente à autarquia. O Fundo de Desenvolvimento Turístico é gerido de forma autónoma por um Comité de Investimentos, que integra a Câmara de Lisboa, a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) e a Associação de Turismo de Lisboa (ATL), um modelo que tem sido fortemente criticado pelo Bloco de Esquerda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.