Marcelo recusa comentar eutanásia, PS e Justiça, mas elogia sistema partidário

"Quanto mais forte for o sistema partidário e os partidos, menos vazios há e menos populismos, menos xenofobias, menos movimentos inorgânicos", destacou o chefe de Estado

O Presidente da República recusou hoje comentar os projetos de despenalização da eutanásia, o 22.º Congresso Nacional do PS ou questões judiciais, mas elogiou o sistema partidário contra os "vazios" e o populismo.

"Eu disse que não me pronunciaria sobre a matéria e não me vou pronunciar até ao termo do processo. Como Presidente da República não posso. Vou esperar o que a Assembleia [da República] votar e, se eventualmente, vier às minhas mãos um diploma, pronunciar-me-ei. Não me pronuncio porque era uma forma de me pronunciar", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado falava aos jornalistas após a cerimónia de entrega de prémios da Associação Portuguesa de Museologia (APOM) de 2018, em Lisboa e que consagrou, entre outras entidades distinguidas, o Museu Metalúrgica Duarte Ferreira, no Tramagal (Abrantes) como "melhor do ano".

Não formulo opiniões sobre congressos partidários. Naturalmente, o Presidente da República acompanha sempre tudo o que é a atividade política nacional, mas não tem opinião, não deve exprimir-se, sobre reuniões partidárias

Além de evitar a temática da morte assistida, cujas iniciativas legislativas de PAN, BE, PS e PEV vão a debate e votação nominal no parlamento terça-feira, o Presidente da República recorreu ao cargo para também declinar partilhar expectativas face à reunião magna socialista que começa hoje na Batalha, Leiria, e se estende até domingo, consagrando o atual primeiro-ministro, António Costa, mais uma vez, como secretário-geral do PS.

"Não formulo opiniões sobre congressos partidários. Naturalmente, o Presidente da República acompanha sempre tudo o que é a atividade política nacional, mas não tem opinião, não deve exprimir-se, sobre reuniões partidárias", disse.

Questionado sobre algumas polémicas recentes entre o universo da política e o da Justiça, com diversos casos de investigações judiciais, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que "não cabe ao Presidente da República estar a pronunciar-se sobre o funcionamento de outros órgãos de soberania", mas relevou a importância dos partidos políticos.

"Quanto mais forte for o sistema partidário e os partidos, menos vazios há e menos populismos, menos xenofobias, menos movimentos inorgânicos. Em geral, tudo o que seja vitalidade e dinamismo dos partidos e dos parceiros económico-sociais é bom para o país", considerou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.