Marcelo, Ferro e Costa com os Xutos em homenagem a Zé Pedro

Como prometido, o Presidente da República subiu ao Palco Mundo do Rock in Rio

O concerto dos Xutos & Pontapés desta sexta-feira, no Rock in Rio Lisboa, teve no palco três espetadores especiais: o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

As mais altas figuras da nação, cuja presença tinha já sido anunciada, deslocaram-se ao grande festival lisboeta para prestar homenagem a Zé Pedro, o guitarrista da banda que morreu em novembro no ano passado, e nem a chuva intensa que caiu no recinto alterou os planos.

O concerto, como é frequente no alinhamento dos espetáculos dos Xutos & Pontapés, terminou com uma apoteótica interpretação de A Casinha. No palco, Marcelo, Ferro e Costa, bem como o presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, juntaram a voz aos milhares de fãs que cantaram em coro o clássico tema. Confira no vídeo em cima.

Durante o concerto, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa foram diversas vezes focados no ecrã gigante presente no palco, enquanto acompanhavam, trauteando, as letras mais conhecidas da histórica banda rock nacional:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".