Marcelo e Ferro Rodrigues no espetáculo de homenagem a Zé Pedro

Catarina Martins e Francisco Louçã estarão em palco, entre "um coro de 80 pessoas, entre família, amigos e personalidades de várias áreas, para cantar A minha casinha". Marcelo e Ferro Rodrigues só deverão assistir

A Blitz avançou nesta quarta-feira que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, "subirá ao Palco Mundo para fazer coro no tema A Minha Casinha, interpretado nesta ocasião em homenagem a Zé Pedro", que morreu no ano passado.

De acordo com a publicação, o Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e o ex-líder do mesmo partido Francisco Louçã também subiriam em palco com os Xutos & Pontapés, juntamente com familiares e amigos de Zé Pedro.

Fonte da Presidência da República Portuguesa, questionada pelo DN e pela Lusa, disse apenas que Marcelo Rebelo de Sousa "estará presente no Rock in Rio Lisboa durante a homenagem" e que não está prevista qualquer participação do Presidente no palco.

Também fonte oficial do gabinete de Ferro Rodrigues confirmou à Lusa que o presidente da AR "foi convidado e aceitou" estar no espetáculo, mas não soube especificar "em que termos".

Já fonte oficial do BE confirmou que Catarina Martins e Francisco Louçã estarão em palco, integrando "um coro de 80 pessoas, entre família, amigos e personalidades de várias áreas, para cantar 'A minha casinha'".

Contactada pela Lusa, fonte da banda escusou-se a comentar a notícia, dizendo apenas que está "a ser preparada uma surpresa" para o espetáculo.

O Rock in Rio Lisboa decorre no Parque da Bela Vista, no sábado e no domingo, e nos dias 29 e 30 de junho.

Zé Pedro, fundador e guitarrista dos Xutos & Pontapés, morreu a 30 de novembro passado, aos 61 anos.

Os Xutos & Pontapés, que integram Tim, Kalú, Gui e João Cabeleira, decidiram continuar ativos e estão a finalizar um novo álbum, intitulado Duro, ainda sem data de edição.

Zé Pedro vai ainda ser homenageado este ano num outro festival de música, o Super Bock Super Rock (SBSR). O concerto "Who the f*ck is Zé Pedro" está marcado para 19 de julho, o primeiro dia da edição deste ano do festival, no Parque das Nações, em Lisboa.

No espetáculo participam os músicos e bandas Manuela Azevedo, Carlão, João Pedro Pais, Manel Cruz, Rui Reininho, Tomás Wallenstein, Paulo Gonzo, os Ladrões do Tempo (Tó Trips, Paulo Franco, Donny Bettencourt e Samuel Palitos) e os Palma's Gang (Jorge Palma, Flak, Alex e Kalú), dois dos grupos nos quais Zé Pedro militou.

Em palco, os músicos estarão acompanhados por uma banda formada por António Reis Colaço (sobrinho de Zé Pedro), Fred Ferreira (filho de Kalú), João Nascimento (filho de Gui), Joel Cabeleira (sobrinho de João Cabeleira), Marco Nunes (sobrinho de Kalú), Sebastião e Vicente Santos (filhos de Tim) e Nuno Espírito Santo.

A direção artística do espetáculo ficou a cargo de Tim, o vocalista dos Xutos&Pontapés, e de Fred Ferreira, filho de Kalú e baterista de grupos como Orelha Negra e a Banda do Mar.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.