Manuais sem aumento por quatro anos e alunos com acesso a conteúdos digitais

Acordo entre ministérios da Educação e Economia e a APEL, condiciona aumentos ao valor da inflação e abrange ainda o acesso pelos alunos a recursos digitais educativos, através de uma licença digital

O Governo e a Associação portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) "chegaram a acordo para o não aumento do preço dos manuais escolares, nos próximos 4 anos letivos, com atualizações apenas em função da taxa de inflação." O anúncio foi feito há momentos, em comunicado, pelo Ministério da Educação, que participou nas negociações em conjunto com o Ministério da Economia e os representantes das editoras.

Acesso a conteúdos online

De acordo com o comunicado, "além da definição dos preços, o Governo aposta também numa solução inovadora para os manuais abrangidos pela gratuitidade (1.º a 6.º anos de escolaridades), avançando-se para o desenvolvimento e generalização da desmaterialização dos diversos recursos educativos, prevista na Lei nº. 72/2017, aprovada pela Assembleia da República. Assim, já a partir de setembro, todos os alunos das escolas públicas dos 1.º e 2.º ciclos terão acesso a um novo conjunto de recursos didáticos, que passa pela existência de uma licença digital para acesso a recursos digitais educativos".

Na prática, ao que o DN apurou, os alunos que recebam os livreiros escolares novos terão também acesso aos conteúdos digitais associados ao respetivo manual.

Gratuitidade alargada até ao 6.º ano

Recorde-se que, no próximo ano letivo, além dos alunos do 1.º ciclo, também os do 2.º ciclo (5.º e 6.º anos de escolaridade) terão direito a manuais escolares gratuitos. No 1.º ciclo poderá ser aplicada já a reutilização

O governo considera que a nova convenção - que vem substituir o acordo assinado em março de 2016 - "está fundada numa relação equilibrada - suportada na implementação da política de gratuitidade e reutilização - protegendo, prioritariamente, os direitos das famílias, quer por via do não agravamento dos preços, quer no que diz respeito à generalização do acesso a recursos digitais que facilitam as aprendizagens e o desenvolvimento de competências inscritas no Perfil dos Alunos".

negociação difícil

Em declarações ao DN, fonte oficial da APEL descreveu as negociações com o governo como "l duras, longas e complexas", defendendo que "este acordo só foi possível porque os editores são parte da solução e não parte do problema".

Os editores não escondem que o entendimento alcançado cria dificuldades ao setor: "Há um enorme desafio que se coloca às editoras: este acordo prolonga o não aumento dos livros por mais quatro anos, numa altura em que há progressivamente menos alunos, logo vende-se menos, agravado com a reutilização, que tem impacto negativo, mais a crise generalizada no setor do livro".

"Ao mesmo tempo", acrescentou, "os editores têm de aumentar o investimento no digital para assegurar a oferta dos conteúdos digitais do 1.º ao 6.º, sendo que o digital tem custos mais elevados".

A consequência, finalizou, é que "as editoras vão entrar num inevitável e difícil processo de reestruturação".

A demora na celebração deste acordo, habitualmente fechado nos primeiros meses dos anos em que deve ser feita a sua renovação, estava a gerar apreensão, já que é a partir desta altura que as escolas começam a indicar os manuais a utilizar no ano letivo seguinte.

Atualizado às 23.11, com declarações da APEL

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."