Lisboa quer travar vespa-asiática, a predadora que destrói colmeias

Chegou ao norte de Portugal em 2011, já se instalou na região de Coimbra e foi avistada em Leiria. Espécie invasora tem um impacto económico na produção do mel

A Câmara Municipal de Lisboa criou um programa de prevenção contra a vespa-asiática (Vespa velutina nigrithorax), um inseto invasor e predador das abelhas, que chegou a Portugal em 2011 e que se tem expandido para sul a grande velocidade. Para já, não há qualquer registo de avistamento desta vespa em Lisboa, mas a possibilidade da sua chegada à região "é bem real", garante a bióloga Maria João Verdasca, do centro de investigação CE3C da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que está a estudar a expansão da espécie em Portugal e na Europa, bem como o seu impacto económico.

Lançado no final de março, o programa do município lisboeta envolve a participação dos serviços de proteção civil, veterinários e de controlo de pragas, e faz o alerta aos cidadãos para que, em caso de deteção ou suspeita de avistamento da vespa, seja feita de imediato essa comunicação à câmara (ver http://www.cm-lisboa.pt/noticias/detalhe/article/vespa-asiatica-comunique-a-detecao-de-ninhos).

"Quando há um alerta, acionamos o serviço de controlo de pragas, que vai ao local para verificar a situação", explica Ângelo Mesquita, diretor municipal de Ambiente Urbano. "No início de abril recebemos um alerta, para a área do aeroporto, mas a situação não se confirmou", conta. Caso se tivesse confirmado e, no futuro, se isso acontecer, os técnicos da câmara "procederão à destruição do eventual ninho no local, se tal for possível, ou então removê-lo-ão, para ser incinerado na Casa dos Animais de Lisboa", adianta o diretor municipal de Ambiente.

Originária do norte da Índia, leste da China e Indonésia, a vespa asiática chegou à Europa por via marítima, em 2004, provavelmente através do porto de Bordéus, em França, e expandiu-se a partir daí a outros países europeus. Em 2010 já tinha chegado a Espanha e em 2011 a sua presença foi pela primeira vez confirmada em Portugal, em Viana do Castelo. "Tudo indica que terá chegado por via terrestre, num carregamento de madeira", conta a investigadora Maria João Verdasca.

Desde então, esta espécie invasora, que é carnívora e predadora da abelha-europeia produtora de mel, tem avançado para sul no território do país à velocidade média de 30 quilómetros ao ano. "Neste momento já está instalada na região de Coimbra e já foi também avistada em Leiria e em Castelo Branco", diz Maria João Verdasca. A sua chegada à região de Lisboa é por isso "uma possibilidade bem real". Sem poder adiantar uma estimativa temporal para esse momento, a bióloga considera que o programa de prevenção criado pela Câmara de Lisboa "tem razão de ser", porque vai permitir "atuar de imediato, de forma a minimizar a expansão desta espécie invasora".

Quanto ao impacto económico da vespa-asiática em Portugal, "ainda não há estudos", diz a investigadora, que está justamente a iniciar agora o seu trabalho nesse âmbito, com um inquérito aos apicultores portugueses, que "estão muito preocupados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.