Lisboa gasta 650 mil euros na passagem de ano

Só em cartolas para distribuir nas ruas serão gastos 57 mil euros

As festas de fim de ano vão custar 650 mil euros a Lisboa, avança hoje o jornal i. A EGEAC (Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural), que está a organizar o evento, confirmou o valor a esta publicação. Do valor total, 57 mil euros serão para cartolas para distribuir nas ruas.

Estão a ser preparados três dias de festa para os lisboetas celebrarem o fim de 2017 e o início de 2018 no Terreiro do Paço, com entrada livre. Dia 29, às 22:00, há um concerto de Ana Moura, e no dia seguinte, à mesma hora, atuam Lura e Bonga. A 31, a festa começa, também às 22:00, com Marta Ren & The Groovelvets e continua com os Capitão Fausto. À meia-noite há fogo-de-artifício com música dos Beatbombers e segue-se um concerto que junta Ana Bacalhau, Ana Deus, Lena d"Água, Luís Portugal, Miguel Ângelo, Rui Pregal da Cunha, Samuel Úria, Viviane e Xana.

Segundo o jornal i, que cita o portal de contratação pública Base.gov, os concertos de Capitão Fausto e este que marca o arranque de 2018 são o investimento mais caro da câmara: mais de 137 mil euros (sem IVA). Segue-se o espetáculo de pirotecnia, que ronda os 74 mil euros.

A Madeira terá o fogo-de-artifício mais caro do país, segundo o i: 800 mil euros.

O Porto ainda não publicou qualquer dado acerca do investimento feito para as festas de fim de ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.