Lisboa ganha óscar do turismo. É a Melhor Cidade Destino da Europa

Portugal ganhou 36 prémios nos World Travel Awards, tidos como os "Óscares" do turismo mundial

Na Gala Europa, que decorreu em Atenas e na qual Portugal arrecadou 36 prémios, o país revalidou o título conquistado em 2017, impondo-se aos restantes nomeados: Áustria, Inglaterra, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Noruega, Espanha, Suécia, Suíça e Turquia.

Presente na cerimónia que teve lugar na noite deste sábado, a Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, considerou que "receber o 'óscar' de Melhor Destino Europeu pelo segundo ano consecutivo é algo que enche de orgulho e prova que Portugal continua no top das preferências dos turistas internacionais".

"Estes resultados mostram que a nossa estratégia está claramente a dar frutos e que o mundo olha para Portugal como um exemplo, e também nos motivam para continuarmos o trabalho de qualificação da oferta e dos destinos, alargando o turismo a todo o território e ao longo de todo o ano, tornando-o cada vez mais sustentável", acrescentou a governante, citada em comunicado.

A longa lista de 'óscares' para Portugal inclui ainda o Melhor Destino Citadino da Europa para Lisboa, que, pelo terceiro ano consecutivo, conseguiu o galardão como Melhor Porto de Cruzeiros.

Na competição das cidades, Lisboa ficou à frente de Amesterdão, Barcelona, Londres, Paris, Roma e Veneza, um feito inédito já destacado pelo diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa, Vítor Costa."A conquista de Melhor Cidade Destino da Europa é histórica para Lisboa, pois já recebemos inúmeros prémios, mas este ainda não tinha sido conquistado. O facto de estarmos a estabelecer os níveis de qualidade a que outras cidades devem aspirar, deixa-nos muito orgulhosos do trabalho que tem sido feito ao longo dos anos", acrescentou o dirigente, também num comunicado.

Em 2017, a capital portuguesa recebeu um total de 521 mil passageiros de cruzeiros, segundo o Turismo de Lisboa, que acrescentou que a "expectativa é que esse número possa aumentar este ano, sobretudo o de passageiros que começam ou acabam o cruzeiro na capital portuguesa".

No final do ano passado, Lisboa tinha sido distinguida nos 'óscares' como Melhor Destino Mundial para City Break.

Madeira e Passadiços do Paiva

A longa lista de distinções conquistadas, a nível europeu, este sábado por Portugal inclui ainda o melhor destino insular, através da Madeira, e melhor organismo de turismo europeu, pelo Turismo de Portugal.

Os Passadiços do Paiva conquistaram os 'óscares' em termos de melhores destinos europeus de aventura e projeto de desenvolvimento, tendo a TAP sigo distinguida pelas ligações à África e América do Sul, assim como a sua revista de bordo Up, enquanto 11 hotéis ultrapassaram os seus concorrentes europeus em diversas categorias.

A Grande Gala final destes 'óscares' decorrerá a 01 de dezembro, em Lisboa. Para o próximo ano será a Madeira a receber a gala das distinções a nível europeu.

Os World Travel Awards surgiram em 1993 para "reconhecer, premiar e celebrar a excelência entre os setores da indústria do turimo", define a própria organização na sua página de Internet.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.