Nova líder da JSD oferece prancha a Marcelo e carro a Rui Rio

Margarida Balseiro Lopes quer ver Marcelo a recandidatar-se e Rio a conduzir os "destinos" de Portugal

A nova direção da Juventude Social Democrata (JSD) ofereceu hoje ao Presidente da República uma prancha de bodyboard com o slogan "Marcelo 2021", mas Marcelo Rebelo de Sousa disse que é cedo para decidir sobre a recandidatura. Margarida Balseiro Lopes, a primeira mulher a liderar a organização de juventude do PSD, ofereceu ainda a Rui Rio, que é um fã de automóveis, um carro em miniatura, esperando que o líder do seu partido venha "a conduzir" os destinos do país.

"Oferecemos uma prancha de bodyboard ao Presidente e pedimos-lhe que, aproveitando esta grande onda de mobilização à volta dele, aproveite para em 2021 continuar a surfar. Pedimos-lhe que se recandidatasse", declarou aos jornalistas a recém-eleita presidente da JSD, no final de uma audiência no Palácio de Belém.

Margarida Balseiro Lopes, que estava acompanhada por outros oito dirigentes da JSD, adiantou que a resposta que receberam de Marcelo Rebelo de Sousa foi que "é cedo, não é tempo para falar nisso agora".

"Foi a resposta que nos deu. Mas, de qualquer das formas, nós transmitimos a nossa opinião, que era muito positivo para o país que voltasse a ser o Presidente da República", acrescentou.

Margarida Balseiro Lopes, deputada do PSD pelo círculo de Leiria, de 28 anos, foi eleita presidente da JSD no dia 15 de abril, no 25.º congresso desta estrutura autónoma partidária.

A seu pedido, foi recebida hoje, durante cerca de uma hora, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhada por cinco vice-presidentes da sua direção, pela secretária-geral da JSD, Sofia Matos, e ainda mais dois dirigentes desta organização.

"Viemos apresentar cumprimentos, viemos também falar um pouco da nossa estratégia global, partilhar as nossas principais preocupações com a juventude portuguesa", explicou.

A oferta a Rui Rio foi feita no inicio de uma reunião, na sede nacional do PSD, em Lisboa. Com um sorriso, o líder social-democrata disse depois aos jornalistas que a direção da JSD tem esse "desejo de que o PSD ganhe as eleições" e que possa ser ele a "conduzir os destinos do país".

Passaram trinta anos desde esse congresso da "jota", a preocupação com o ensino e a Educação mantém-se, mas há temas que estão na agenda dos jovens e não estavam em 1978, a começar pelo emprego, reconheceu.

Rui Rio recordou que, antes de sair da universidade, já tinha emprego, o que não acontece hoje a muitos jovens.

"Hoje, infelizmente, as coisas não são assim e obrigam muitos jovens a emigrar. É um problema grave", nas suas palavras.

O líder do PSD concorda ainda com as preocupações da JSD quanto à necessidade de serem, construídas mais residências universitárias nas cidades que acolhem os alunos, como Lisboa, Porto e Coimbra.

E deve ser o Estado, segundo disse, a ter essa preocupação de construir as residências, e a "intervir para colmatar falha do mercado", num país em que o preço da habitação subiu muito nos últimos anos.

Margarida Balseiro Lopes, que na recente disputa para a liderança do PSD não declarou apoio a nenhum dos candidatos, esteve, acompanhada por vários membros da sua direção, reunida com Rui Rio.

Ao presidente do partido, apresentou as preocupações centrais da "jota" -- emprego, habitação e educação -- e sublinhou a "grande abertura" da parte do partido em transformar em "iniciativas legislativas" algumas das propostas dos jovens.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.