Ministro garante que Portugal está "mais preparado do que alguma vez teve"

"Acabou a época de incêndios. Os incêndios e a segurança são uma prioridade todo o ano", disse Eduardo Cabrita

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, garantiu hoje no Parlamento que Portugal está "mais preparado do que alguma vez esteve para enfrentar" o problema dos incêndios florestais.

"Enfrentamos aquilo que são os problemas reais com respostas efetivas. Face à dimensão do problema, Portugal está mais preparado do que alguma vez esteve para enfrentar este problema", disse Eduardo Cabrita, durante a interpelação do CDS ao Governo sobre a "preparação da próxima época de incêndios".

O ministro adiantou que Portugal está "mais preparado, porque, ao contrário do que sucedia, a prevenção foi a prioridade deste inverno".

"Essa é uma vitória dos portugueses, autarquias, proprietários e todos aqueles que se mobilizaram no esforço nacional de limpeza das florestas", realçou.

O ministro respondia aos deputados do CDS-PP Telmo Correia e do PSD Duarte Marques sobre os atrasos da preparação da próxima época de incêndios florestais

"Só o CDS e o PSD é que ainda falam em época de incêndios. Acabou a época de incêndios. Os incêndios e a segurança são uma prioridade todo o ano", sustentou.

Eduardo Cabrita afirmou que, no ano passado, acabou a época de incêndios, que tinha a sua fase mais crítica nos meses do verão, porque "a maior tragédia foi em junho e em outubro".

Segundo o governante, vai passar a existir "uma gestão flexível" de meios aéreos que vão estar disponíveis todo o ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.