Ministro garante que Portugal está "mais preparado do que alguma vez teve"

"Acabou a época de incêndios. Os incêndios e a segurança são uma prioridade todo o ano", disse Eduardo Cabrita

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, garantiu hoje no Parlamento que Portugal está "mais preparado do que alguma vez esteve para enfrentar" o problema dos incêndios florestais.

"Enfrentamos aquilo que são os problemas reais com respostas efetivas. Face à dimensão do problema, Portugal está mais preparado do que alguma vez esteve para enfrentar este problema", disse Eduardo Cabrita, durante a interpelação do CDS ao Governo sobre a "preparação da próxima época de incêndios".

O ministro adiantou que Portugal está "mais preparado, porque, ao contrário do que sucedia, a prevenção foi a prioridade deste inverno".

"Essa é uma vitória dos portugueses, autarquias, proprietários e todos aqueles que se mobilizaram no esforço nacional de limpeza das florestas", realçou.

O ministro respondia aos deputados do CDS-PP Telmo Correia e do PSD Duarte Marques sobre os atrasos da preparação da próxima época de incêndios florestais

"Só o CDS e o PSD é que ainda falam em época de incêndios. Acabou a época de incêndios. Os incêndios e a segurança são uma prioridade todo o ano", sustentou.

Eduardo Cabrita afirmou que, no ano passado, acabou a época de incêndios, que tinha a sua fase mais crítica nos meses do verão, porque "a maior tragédia foi em junho e em outubro".

Segundo o governante, vai passar a existir "uma gestão flexível" de meios aéreos que vão estar disponíveis todo o ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.