Falhou antecipação dos fogos de outubro

Relatório da da Comissão Técnica Independente foi entregue no Parlamento. São 250 páginas que pode ler aqui

Depois de ter entregado o relatório de conclusões na Assembleia da República, o presidente da Comissão Técnica Independente (CTI) aos incêndios de outubro, João Guerreiro, sublinhou aos jornalistas que "era possível encontrar soluções prévias" para evitar os incêndios de outubro. "Havia capacidade para antecipar os incêndios de outubro, mas isso não foi feito", apontou João Guerreiro. E concretizou: "Era possível encontrar soluções prévias de programação e de previsão que pudessem ter amenizado o que foi a expansão do incêndio."

O documento, que pode ser consultado aqui, foi entregue, pouco depois das 17:30, pelo presidente da comissão e ex-reitor da Universidade do Algarve, João Guerreiro, numa audiência com o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, em que estiveram presentes representantes de todos os grupos parlamentares.

Numa nota informativa distribuída à comunicação social sobre o relatório de avaliação dos incêndios ocorridos entre 14 e 16 de outubro de 2017 em Portugal Continental, nota-se que "o ataque inicial aos primeiros incêndios do dia 15 de outubro foi executado de acordo com o instituído, mas rapidamente se verificou não haver possibilidade de manter a estratégia teoricamente fixada".

O próprio presidente da CTI notou aos jornalistas que "toda a configuração da Proteção Civil era muito semelhante a que estava em Pedrógão Grande", num momento em que já se estava "a descontinuar os meios de combate".

A avaliação não é meiga: "Muitas forças estavam já descontinuadas, designadamente os meios aéreos e o número de solicitações impediu que a alocação de meios se fizesse de acordo com as normas operacionais estabelecidas"; e os postos de comando operacional "estavam desfasados na sua dimensão e complexidade, não conseguindo corresponder às necessidades exigidas pelo ataque ao fogo".

A CTI refere, no entanto, "que em muitas situações a velocidade e a intensidade do fogo implicou que não houvesse possibilidade alguma de combater o incêndio".

As "causas que estiveram na origem das muitas ocorrências" - que atingiram 27 concelhos do Norte e Centro do país, fizeram 45 mortos e cerca de 70 feridos - não fogem ao padrão da "série histórica de 2001 a 2017": queimadas (31-33%), incendiarismo (33-36%) e reacendimentos (18-24%).

Sobre as queimadas, a CTI admite que "a proximidade anunciada de precipitação possa ter conduzido a um aumento de ocorrências ocasionadas pela limpeza do solo agrícola". A CTI avisa que "os reacendimentos continuam a ser uma componente excessiva que importa corrigir rapidamente".

Mortes semelhantes a Pedrógão Grande

Noutro ponto destacado pelo relatório, "a força do vento e a baixa humidade" permitiram o "rápido crescimento" dos incêndios. "No entanto, quando a energia libertada pelos incêndios superou a energia do vento geraram-se fenómenos piro-convectivos, com transições de nuvem piro-cúmulo para piro-cúmulo-nimbo, gerando downdrafts que aceleraram e expandiram erraticamente o incêndio, como aconteceu na tarde de 15 e noite de 15 para 16 de outubro."

Tratam-se, segundo a CTI, de "movimentos erráticos e acelerados dos incêndios, por momentos pulsantes", que "coincidem com a ocorrência de vítimas mortais". E aqui, refere o relatório, "as condições foram semelhantes às de junho em Pedrógão Grande".

Esta CTI tem a mesma composição da anterior, que analisou os fogos de junho, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e que se alastrou a concelhos limítrofes, e a sua criação foi sugerida pelo presidente do Parlamento, Ferro Rodrigues, e aceite pelos partidos. O incêndio de junho, em Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos, fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas.

[em atualização]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.