Mudança de género aos 16 anos aprovada

Lei aprovada com votos a favor do PS, BE, PEV e PAN e os votos contra do PSD e CDS. PCP absteve-se

O projeto de lei que estabelece o direito à autodeterminação da identidade de género e expressão de género e o direito à proteção das caracterí­sticas sexuais de cada pessoa foi aprovado na votação final global com os votos a favor do PS, BE, PEV e PAN e os votos contra do PSD e CDS. O PCP absteve-se. A deputada social-democrata Teresa Leal Coelho foi a nota dissonante à direita, votando também a favor.

O texto de substituição apresentado pela Comissão de Assuntos Constitucionais foi aprovado contando a favor 109 deputados e contra 106 - no entendimento da Mesa da Assembleia da República, foi contabilizada a totalidade dos deputados por bancada (incluindo os ausentes), por nenhuma bancada ter pedido a votação uninominal.

Teresa Leal Coelho rompeu a disciplina de voto contra do seu partido.

Depois da votação, muitos deputados aplaudiram o resultado, acompanhados de cidadãos presentes nas galerias, que foram advertidos pelo presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues, para não se manifestarem.

Este projeto passa a permitir aos maiores de 16 anos a alteração do género e nome próprio no registo civil, apenas mediante requerimento e sem necessidade de recorrer a qualquer relatório médico. Entre os 16 e os 18 anos, este procedimento tem de ter autorização de pais.

Em declarações de voto orais, André Silva, do PAN, saudou o "inegável avanço histórico", a socialista Isabel Moreira notou o "momento histórico", que "honra todas as pessoas e jovens trans", e Sandra Cunha, do BE, sublinhou ainda "o avanço absolutamente extraordinário" que esta lei permite.

Já à direita, a social-democrata Sandra Pereira e a centrista Vânia Dias da Silva criticaram a aprovação de um projeto de lei "sem acompanhamento médico". Para a deputada do PSD, tratou-se da vitória do "radicalismo ideológico", deixando um aviso ao PS de que "vai ter que responder por isso". A deputada do CDS criticou a opção em baixar a idade com que se pode mudar de sexo no registo civil.

No final, nos Passos Perdidos, a ex-secretária de Estado da Igualdade, a socialista Catarina Marcelino sublinhou o "dia muito feliz" que permite a "pessoas de carne e osso" que possam fazer esta mudança "por autodeterminação" e também "a proteção das crianças que nascem com ambiguidade sexual".

Catarina Marcelino apontou ainda o facto desta lei melhorar "a qualidade de vida" destes portugueses. E revelou um "orgulho muito grande", ela que foi a membro do Governo que coordenou esta matéria, na altura como secretária de Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.