Há mais um arguido na Operação Lex

Sobe assim para 13 o número de pessoas constituídas arguidas na investigação

A Operação Lex contabiliza mais um arguido, com a constituição de Nuno Proença, esta quinta-feira, avançou a RTP 3. A estação pública de televisão noticia ainda que nas próximas horas espera-se que mais pessoas sejam constituídas arguidas no âmbito desta investigação.

Nuno Proença - que tem ligações à família da mulher do juiz Rui Rangel, Rita Figueira - é suspeito de ser uma das pessoas que, alegadamente, teria ajudado o magistrado a ocultar dinheiro utilizando uma sua conta bancária.

Neste grupo de pessoas inclui-se ainda o advogado Santos Martins, o filho Bernardo Santos Martins (ambos detidos), a ex-mulher de Rangel e também juíza Fátima Galante, a atual companheira do magistrado, Rita Figueira, o pai desta, Albertino Figueira, Bruna Amaral e João Rangel.

Rui Rangel é ainda suspeito de tentar influenciar o titular de um processo de natureza fiscal, do tribunal de Sintra, a troco de um cargo futuro na direção do Benfica ou na universidade que o clube pretende criar no Seixal, ter exercido influência indevida sobre colegas do Tribunal da Relação de Lisboa num processo laboral, que envolvia o Sporting e Pedro Sousa, ex-diretor de comunicação do clube, a pedido do empresário de futebol José Veiga, bem como de ter prestado serviços jurídicos a arguidos com processos crimes no TRL e a cliente africanos, situação incompatível com o exercício da magistratura.

Entre os detidos está também o funcionário judicial do TRL Octávio Correia, que, alegadamente, ocultou parte dos rendimentos ao fisco. Com Lusa

Ler mais