Há mais um arguido na Operação Lex

Sobe assim para 13 o número de pessoas constituídas arguidas na investigação

A Operação Lex contabiliza mais um arguido, com a constituição de Nuno Proença, esta quinta-feira, avançou a RTP 3. A estação pública de televisão noticia ainda que nas próximas horas espera-se que mais pessoas sejam constituídas arguidas no âmbito desta investigação.

Nuno Proença - que tem ligações à família da mulher do juiz Rui Rangel, Rita Figueira - é suspeito de ser uma das pessoas que, alegadamente, teria ajudado o magistrado a ocultar dinheiro utilizando uma sua conta bancária.

Neste grupo de pessoas inclui-se ainda o advogado Santos Martins, o filho Bernardo Santos Martins (ambos detidos), a ex-mulher de Rangel e também juíza Fátima Galante, a atual companheira do magistrado, Rita Figueira, o pai desta, Albertino Figueira, Bruna Amaral e João Rangel.

Rui Rangel é ainda suspeito de tentar influenciar o titular de um processo de natureza fiscal, do tribunal de Sintra, a troco de um cargo futuro na direção do Benfica ou na universidade que o clube pretende criar no Seixal, ter exercido influência indevida sobre colegas do Tribunal da Relação de Lisboa num processo laboral, que envolvia o Sporting e Pedro Sousa, ex-diretor de comunicação do clube, a pedido do empresário de futebol José Veiga, bem como de ter prestado serviços jurídicos a arguidos com processos crimes no TRL e a cliente africanos, situação incompatível com o exercício da magistratura.

Entre os detidos está também o funcionário judicial do TRL Octávio Correia, que, alegadamente, ocultou parte dos rendimentos ao fisco. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.