Há 44 mil alunos a aprender português no Senegal

É a primeira língua de dezenas de milhões de alunos mas só 11 países a têm nos currículos oficiais como segunda ou terceira, abrangendo 80 mil estudantes

Milhões de alunos aprendem em português nos seus países. Desde logo, naqueles onde o idioma é falado ou existe uma forte comunidade de imigrantes e lusodescendentes. Mas, entre os que têm outras línguas oficiais, apenas 11 (ver caixa) oferecem a Língua Portuguesa como oferta curricular, acessível à generalidade dos estudantes do ensino secundário. No total, contam com mais de 80 mil alunos. E um deles responde por mais de metade: 44 mil. Não é a Espanha - essa surge em segundo lugar, com 23 mil estudantes. É o Senegal.

"Esta é uma relação que tem muitos antecedentes", diz ao DN Ana Paula Laborinho, presidente do Instituto Camões. O português, lembra, está nos currículos desde 1960, ano em que o país ganhou a independência e passou a ser liderado pelo político e escritor Léopold Sedar Senghor, cujo apelido paterno deriva da palavra portuguesa: "Senhor". "Durante muito tempo, a figura de Senghor foi protetora e tutelar da luta contra o domínio colonial, a par do [angolano] Agostinho Neto. Essas duas figuras contribuíam para essa presença, ainda hoje, de uma massa tão grande de interessados no Português, que depois tem também uma expressão na universidade, onde se formam os professores que nas 14 regiões ensinam a língua.

Há outros antecedentes históricos. Os portugueses foram os primeiros estrangeiros a chegar ao local, em meados do século XV. A Sul, junto à fronteira com a Guiné-Bissau, existe o enclave de Casamansa - assim batizada pelo navegador Dinis Dias, que a descobriu em 1455 -, que chegou a estar integrada em território nacional e onde ainda é falado um dialeto com origem no Português.

Curiosamente, conta Ana Paula Laborinho, "nem sequer é aí que está a maioria" dos alunos que aprendem a língua. Ainda que seja aí que a cooperação portuguesa "está a apostar", nomeadamente através da abertura, em 2015, de um Centro de Língua Portuguesa na Universidade de Ziguinchor.

Quanto ao resto do país, embora a cooperação nacional esteja presente, a oferta do Português já está autonomizada há muito tempo, existindo um programa nacional para a disciplina. "Os professores que saem das universidades do Senegal já estão bem preparados", diz. "O trabalho que fazemos com m eles é diferente do que acontece com outros países".

Um mapa-mundo da língua

A oferta do ensino da Língua Portuguesa não se esgota, naturalmente, nestes países que a decidiram englobar nos seus currículos, e aos quais se deverão juntar em breve a Alemanha e a França.

Só na rede em que o Instituto Camões tem alguma participação existem perto de 160 mil estudantes, a maioria dos quais no ensino superior. E diversas países têm ofertas autonomizadas da língua, quer no básico e secundário quer no superior. Apenas a China - revela o Atlas da Língua Portuguesa, que será publicado na próxima semana (ver caixa), tem cerca de 30 universidades que oferecem a língua aos seus alunos.

O ensino do Português está também disponível na generalidade dos países europeus, através de ofertas públicas e privadas dirigidas à comunidade lusófona - só em França há mais de 10 mil alunos - e das secções portuguesas das Escolas Europeias (da Comissão Europeia), com 600 alunos. A Rede de escolas do Ministério da Educação no estrangeiro ensina o currículo português em todos os países da CPLP, à exceção do Brasil - está prevista a abertura de uma escola em São Paulo - e da Guiné Equatorial, abrangendo 6500 alunos. Em Timor, 7000 aprendem ainda nos centros de aprendizagem e formação escolar.

Onde se aprende como segunda língua

Existe ensino do Português em praticamente todo o mundo. Mas há apenas 11 países (nos Estados Unidos apenas nos estados do Massachusettse de Rhode Island) em que todos os alunos do secundário podem optar pela disciplina.

Senegal 44 000

Espanha 23 018

EUA 10 074

Namíbia 1 919

Bulgária 805

Polónia 150

Roménia 167

Hungria 90

República Checa 45

Croácia 30

Noruega Sem informação

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.