Fugir de casa foi fatal para muitas vítimas, revela estudo

Se tivessem ficado em casa, haveria mais probabilidades de sobrevivência

O estudo encomendado pelo Governo ao incêndio de Pedrógão Grande já permitiu chegar a uma conclusão: fugir de casa foi fatal para muitas vítimas. Segundo avançou à TSF o coordenador do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, que lidera o trabalho, se tivessem ficado em casa estas pessoas teriam mais hipóteses de sobreviver.

"Diria que si. Diria que sim. Não posso dizer isso como regra geral e absoluta, mas como regra sim, as pessoas que permanecessem nas suas casas teriam mais probabilidades de sobrevivência", afirmou Xavier Viegas.

O especialista em incêndios defendeu que "de um modo geral, é muito preferível a opção de ficarem em casa". "Se não há condições para a pessoa se retirar a tempo, com toda a segurança de dentro da aldeia, da vila, então é não se fazer à estrada se um fogo estiver por perto. Essa é a nossa recomendação", disse o responsável pela equipa que está a estudar o que aconteceu no incêndio de Pedrógão Grande, a 17 de junho, no qual morreram 64 pessoas.

O contributo de quem passou por aquele momento, como uma família que permaneceu em casa e imortalizou tudo através de textos, fotografias e vídeos, tem sido fundamental para o trabalho desta equipa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.