Fraude e contrafação de vinhos portugueses aumentam principalmente na China

Para o secretário-geral da Associação de Laboratórios de Enologia é "fundamental" alertar para o problema das fraudes. "Isto é um aspeto da maior importância para a economia de um país", afirma

O aumento de fraudes e contrafação de vinho português, principalmente no mercado chinês, vai ser um dos temas do congresso internacional 'Wine Track', evento a decorrer no Porto a 26 de outubro.

"Temos assistido nos últimos tempos, principalmente no mercado chinês, a algumas situações muito anómalas relativamente à origem de vinhos, com substituições integrais do produto ou com substituições parciais (...). Às vezes utilizam réplicas tão bem feitas que começa a ser muito difícil detetá-las", avançou à agência Lusa Paulo Barros, secretário-geral da Associação de Laboratórios de Enologia (ALABE).

Isto é um aspeto da maior importância para a economia de um país. Não só para o Estado, que cobra taxas, como para o consumidor, que quer produtos autênticos, não quer beber algo falso

À margem da cerimónia da apresentação do congresso internacional 'Wine Track 2018', que está agendado para o próximo dia 26 de outubro, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, o secretário-geral da ALABE, associação sem fins lucrativos, explicou que é essencial cruzar informação e armazenar a "informação da garrafa", "rótulo", "vinho" e de todos os componentes para fazer a caracterização do produto e saber "detetar precocemente essas fraudes".

Durante a VI edição da 'Wine Track 2018' (Caminhos do Vinho), no Porto, são esperados cerca de 350 congressistas, entre cientistas e profissionais do setor do vinho, e um dos principais objetivos é discutir a fraude e a contrafação a nível mundial, que são responsáveis "por prejuízos e quebra de credibilidade" nas empresas.

"Isto é um aspeto da maior importância para a economia de um país (...). Não só para o Estado, que cobra taxas - e que se houver uma via paralela deixa de as cobrar -, como para o consumidor, que quer produtos autênticos, não quer beber algo falso. O consumidor quer saber exatamente qual é a origem do produto e garantir que está integralmente na garrafa o que acabou de comprar, às vezes por preços elevados. Portanto, não quer ser ludibriado", referiu Paulo Barros.

A fraude é tão mais apetecível quanto maior o valor da garrafa

Para o secretário-geral da ALABE é "fundamental" alertar para o problema das fraudes e colocar a comunidade científica e internacional a trabalhar "com todos os meios do saber, aliando-os às potencialidades dos equipamentos que hoje são cada vez mais "sofisticados".

"A fraude é tão mais apetecível quanto maior o valor da garrafa", referiu ainda, acrescentando que as fraudes não incidem em vinhos de baixo valor, "mas em exemplares em que interessa economicamente, em que é compensador a substituição do produto", como por exemplo, no Pêra-Manca ou no Barca Velha.

No congresso 'Wine Track 2018', que é organizado pela Société des Experts Chimistes de France e pela ALABE, tendo como parceiros a Organization Internationale de la Vigne et du Vin, pretende-se mostrar os caminhos para rastrear o percurso do vinho e chegar à verdadeira origem do produto.

"Temos biliões de garrafas que circulam entre países, entre produtores e consumidores neste mercado global. Mas de alguma forma, tem de se poder estabelecer a ligação ao local onde foram produzidas", defendeu Paulo Barros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."