Fenprof avança com queixa no Ministério Público contra diretora-geral dos estabelecimentos escolares

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, anunciou em conferência de imprensa a resposta às orientações do governo. Será ainda criada plataforma para denunciar violações ao direito à greve.

A Fenprof e outras organizações sindicais irão avançar, nesta quinta-feira, com queixas contra a diretora-geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) " na Inspeção-Geral da Educação, no Ministério Público e na Provedoria de Justiça". O anúncio foi feito esta tarde, em conferência de imprensa, pelo secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

Em causa está uma nota informativa enviada às escolas na segunda-feira, assinada pela diretora-geral Maria Manuela Fernandes, em que, acusou Nogueira, os diretores são aconselhados a "obter previamente os elementos de avaliação que os professores têm" o que, considerou, equivale "a dar as notas antes das reuniões". E à terceira reunião, se algum dos professores não estiver presente, "deve dar-se as notas" mesmo na sua ausência.

As medidas em causa terão como objetivo mitigar os efeitos das greves de professores às reuniões de avaliação, tanto as que começaram no passado dia 4, promovidas apenas pelo novo Sindicato de Todos os Professores (S.T.O.P.), com as que terão início na segunda-feira envolvendo todas as restantes organizações sindicais. Na base de todos os protestos está a questão da contagem dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado que os docentes exigem ter devolvido.

Nogueira considerou que não existe "em lado nenhum" suporte jurídico para as medidas anunciadas, acrescentando que, por saber isso, o governo optou por recorrer a uma "nota informativa", que o descompromete mas que poderá "criar o medo nos professores e também a dúvida e a prática ilegal nos diretores".

No entanto, avisou, este tipo de procedimento "não é novo" e já teve consequências, havendo "17 diretores que neste momento estão com processos disciplinares" devido a violações do direito à greve.

Por isso, revelou também, a partir de segunda-feira será criada uma "plataforma", no site da Fenprof, onde os docentes poderão denunciar possíveis violações ao direito à greve.

O S.T.O.P. anunciou também que irá interpor uma providência cautelar contra a nota da DGEstE.

Pais aprovam decisão do ME

Também em conferência de imprensa, o secretário de Estado da Educação, João Costa, tinha defendido a posição do governo: "Respeitamos o direito à greve, mas também temos de respeitar o direito que os alunos têm de receber a sua avaliação", disse, defendendo que da perspetiva do Ministério as indicações enviadas ás escolas são apenas esclarecimentos da lei em vigor.

O que diz a lei, refira-se, é que em caso de ausência de um docente deve ser marcada nova reunião para daí a 48 horas. Mas o entendimento até agora tem sido que, em caso de nova ausência, o processo terá de ser repetido.

Porém, questionado pelo DN, Jorge Ascensão, da Confederação nacional das Associações de Pais, defendeu a decisão do governo: "Não vejo nada na lei que proíba essa medida", disse, considerando que a forma de luta escolhida pelos docentes é "desleal".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.