Estado não faz favor ao assumir dívida da Carris, diz Costa

Primeiro-ministro alega que Estado é responsável pela dívida: 700 milhões de euros

O primeiro-ministro defendeu hoje que a transferência da Carris para a Câmara de Lisboa mostra que o "bom senso prevaleceu sobre o fanatismo ideológico" e que o Estado não faz favor nenhum ao assumir a dívida existente.

"O Estado não faz nenhum favor, porque mantém-se responsável pelo que já é responsável, que é a dívida que criou", afirmou António Costa, referindo-se ao valor que, no ano passado, ascendia a cerca de 700 milhões de euros.

O primeiro-ministro intervinha na cerimónia da assinatura do memorando da passagem de gestão da rodoviária Carris para a Câmara Municipal de Lisboa, no Museu da Carris.

António Costa argumentou que a dívida das empresas de transporte coletivo resultou "de um incumprimento, durante 40 anos, em sucessivos Governos das obrigações do Estado", que, ao assumir a dívida da Carris, não "ficará com nenhuma obrigação que já não seja sua".

Este processo representou que "o bom senso prevaleceu sobre o fanatismo ideológico" de quem entendia que só o privado podia gerir bem um serviço público, defendeu o primeiro-ministro, considerando que o acordo hoje assinado põe fim a um "contencioso histórico".

António Costa disse ainda que no Porto processo idêntico será feito mas em duas etapas, primeiro a transferência da gestão, e só depois a transferência de propriedade da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, que serve seis municípios.

O objetivo é manutenção da natureza pública do sistema de transportes, assegurando-lhe uma gestão municipal, disse, confessando alguma "inveja" do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

"Confesso alguma inveja, mas quero desejar as maiores felicidades. Mudei de funções mas não mudei de ideias e posso dar cumprimento as ideias que já tinha", disse António Costa, que foi o anterior presidente da Câmara de Lisboa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).