Celtejo com limitações de descargas no Tejo por mais 30 dias

Ministério passou a redução do volume diário de descargas de efluentes no Tejo de 50% para 30%

O Ministério do Ambiente prolongou por mais 30 dias as restrições impostas à empresa Celtejo, em Vila Velha de Ródão, passando a redução do volume diário de descargas de efluentes no Tejo de 50% para 30%, foi hoje anunciado.

"As restrições às descargas na empresa Celtejo, de Vila Velha de Ródão, vão prolongar-se por mais 30 dias, sendo agora imposta uma redução de 30% do volume diário de efluente a rejeitar. Caso se registe um agravamento da qualidade da água do rio Tejo, a limitação pode regressar aos 50%", indica um comunicado da tutela.

Em 05 de fevereiro, o Ministério do Ambiente tinha anunciado um primeiro prolongamento por 30 dias de todas as medidas provisórias impostas à empresa Celtejo, incluindo a redução de 50% do volume diário de descargas de efluentes no rio Tejo.

As medidas provisórias com vista à revisão do Título de Utilização dos Recursos Hídricos haviam sido determinadas inicialmente pela Agência Portuguesa do Ambiente em 26 de janeiro e fixadas por 30 dias.

"Tendo-se verificado uma melhoria das condições de laboração na Estação de Tratamento de Águas Residuais Industriais da empresa, durante o próximo mês a limitação do caudal passa para 30% do valor inscrito na licença inicial, ou seja, o caudal fica limitado a um valor máximo diário de 10.500 metros cúbicos/dia", refere a nota hoje divulgada.

Segundo a mesma informação, "a restrição agora revista obriga, em simultâneo, a uma redução da concentração do parâmetro CBO5 (carência bioquímica de oxigénio), que passa a ser de 1,6 kg por tonelada de pasta de papel produzida (kg/tSA)".

Este valor era inicialmente de 2,5 kg/tSA e durante os últimos 40 dias foi de 1,8 kg/tSA.

Ou seja, "com o aumento do caudal de efluente agora permitido, é exigida uma maior restrição quanto às cargas a rejeitar", sublinha a mesma nota, tendo referido que a medida agora imposta vigora entre 07 de março e 07 de abril de 2018.

O Ministério do Ambiente lembra que, "na licença inicial, a empresa estava autorizada a rejeitar 15 mil m3/dia" e que "após o incidente de 24 de janeiro, momento em que a concentração de oxigénio dissolvido na albufeira de Fratel foi de apenas 1,1 mg/litro, foi imposta uma redução das descargas a um máximo de 7.500 m3/dia".

A tutela refere ainda que "há cerca de um mês que a concentração de oxigénio na água não baixa dos 7 mg/litro" (o limite mínimo de qualidade é de 5 mg/l), pelo que, afirma, "se pode considerar como boa a qualidade da água do Tejo".

O Ministério do Ambiente conclui a informação afirmando que "as análises diárias realizadas pela Agência Portuguesa do Ambiente vão manter-se" e que, "caso o valor de oxigénio dissolvido registado na barragem do Fratel desça abaixo dos 6 mg/l, a restrição à rejeição de efluente da Celtejo regressará a 50% do valor inscrito na licença inicial".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.