Emigração para a Islândia cresce pelo sétimo ano consecutivo

Em 2017, 270 portugueses entraram na Islândia, segundo os dados da Statistics Iceland, representando 2,3% da imigração naquele ano

A Islândia, geografia musical de Björk ou dos Sigur Rós, e atualmente o representante menos populoso de sempre no Mundial de Futebol, que já empatou com a Argentina e tem um guarda-redes que também é realizador de cinema, Hannes Halldorsson, registou em 2017 o sétimo aumento consecutivo de imigração portuguesa.

Aquela pequena ilha de 325 mil habitantes recebeu em 2017 270 portugueses, segundo os dados da Statistics Iceland, divulgados nesta quarta-feira pelo Observatório da Emigração português. No ano passado Portugal representou 2,3% da imigração naquele país, onde terão entrado 11 758 pessoas.

Foi em 2004 que, abruptamente, a emigração portuguesa para a Islândia ganhou grande expressão, com a entrada de 520 pessoas no país nesse ano, praticamente o dobro daquelas que entraram no país em 2017.

"As variações no volume da imigração naquele país acompanharam as variações na economia islandesa: entradas com valores significativos nos anos do boom económico-financeiro do início do século, retração com a grande crise financeira de 2008, e recuperação em linha com a rápida retoma económica iniciada em 2011", analisa o Observatório da Emigração. Em 2008 entraram 287 portugueses, mas no ano seguinte esse número caiu para 57 e, em 2010, para 22. A recuperação económica torna-se evidente com a entrada de 88 portugueses em 2013 e de 220 em 2016.

Em termos de entradas globais, a imigração para a Islândia registou um aumento entre 2016 e 2017 de 7 859 para 11 758 pessoas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?