Diretor do Público demite-se

O jornalista David Dinis apresentou esta segunda-feira a sua demissão

O diretor do jornal Público, David Dinis, apresentou esta segunda-feira a demissão, na sequência da decisão da Administração do jornal de demitir o Diretor-adjunto Diogo Queiroz de Andrade. O DN sabe que houve um plenário de redação esta tarde.

David Dinis assumiu funções como diretor do Público no dia 1 de outubro de 2016.

A administradora do Público, Cristina Soares, comunicou a Diogo Queiroz de Andrade que a empresa prescindia dos seus serviços no primeiro dia do regresso de férias deste e no primeiro dia de férias do diretor agora demissionário.

O jornalista demitiu-se de diretor do Público argumentando que o afastamento do seu número dois foi feito à sua revelia e contra a sua opinião.

A administração ato contínuo convocou uma reunião do Conselho de Redação e David Dinis convocou um plenário.

O Conselho de Administração do Público confirmou depois ao final da tarde a demissão do diretor do jornal, David Dinis, na sequência do despedimento do diretor-adjunto Diogo Queiroz de Andrade.

"O Conselho de Administração do Público decidiu, nesta segunda-feira, e após um processo de reflexão ao longo das últimas semanas, prescindir dos serviços prestados por Diogo Queiroz de Andrade, que desempenhava as funções de responsável da área digital e de Diretor Adjunto do jornal", lê-se num comunicado. Segundo adianta a mesma fonte, "na sequência da comunicação hoje efetuada e anteriormente discutida, o Diretor do Público, David Dinis, apresentou a sua demissão".

No documento, o Conselho de Administração do Público agradece a David Dinis a "dedicação e profissionalismo", desejando ainda "votos de sucesso na sua vida pessoal e profissional" a Diogo Queiroz de Andrade.

A direção do Público é liderada por David Dinis e, além de Diogo Queiroz de Andrade, também Tiago Luz Pedro e Vítor Costa são diretores-adjuntos. Sónia Matos é diretora de Arte do diário.

O Conselho de Administração do Público é presidido por Ângelo Paupério, tendo como vogais Cláudia Azevedo e Cristina Soares.

O diário é detido pela Sonaecom.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.