Diretor do Público demite-se

O jornalista David Dinis apresentou esta segunda-feira a sua demissão

O diretor do jornal Público, David Dinis, apresentou esta segunda-feira a demissão, na sequência da decisão da Administração do jornal de demitir o Diretor-adjunto Diogo Queiroz de Andrade. O DN sabe que houve um plenário de redação esta tarde.

David Dinis assumiu funções como diretor do Público no dia 1 de outubro de 2016.

A administradora do Público, Cristina Soares, comunicou a Diogo Queiroz de Andrade que a empresa prescindia dos seus serviços no primeiro dia do regresso de férias deste e no primeiro dia de férias do diretor agora demissionário.

O jornalista demitiu-se de diretor do Público argumentando que o afastamento do seu número dois foi feito à sua revelia e contra a sua opinião.

A administração ato contínuo convocou uma reunião do Conselho de Redação e David Dinis convocou um plenário.

O Conselho de Administração do Público confirmou depois ao final da tarde a demissão do diretor do jornal, David Dinis, na sequência do despedimento do diretor-adjunto Diogo Queiroz de Andrade.

"O Conselho de Administração do Público decidiu, nesta segunda-feira, e após um processo de reflexão ao longo das últimas semanas, prescindir dos serviços prestados por Diogo Queiroz de Andrade, que desempenhava as funções de responsável da área digital e de Diretor Adjunto do jornal", lê-se num comunicado. Segundo adianta a mesma fonte, "na sequência da comunicação hoje efetuada e anteriormente discutida, o Diretor do Público, David Dinis, apresentou a sua demissão".

No documento, o Conselho de Administração do Público agradece a David Dinis a "dedicação e profissionalismo", desejando ainda "votos de sucesso na sua vida pessoal e profissional" a Diogo Queiroz de Andrade.

A direção do Público é liderada por David Dinis e, além de Diogo Queiroz de Andrade, também Tiago Luz Pedro e Vítor Costa são diretores-adjuntos. Sónia Matos é diretora de Arte do diário.

O Conselho de Administração do Público é presidido por Ângelo Paupério, tendo como vogais Cláudia Azevedo e Cristina Soares.

O diário é detido pela Sonaecom.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.