Demitiram-se os diretores adjuntos do SEF

Decisão surge na sequência da demissão de Luísa Maia Gonçalves do cargo de diretora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Os dois diretores adjuntos do SEF apresentaram a sua demissão, soube este domingo o DN.

A decisão de Joaquim Pedro Oliveira e António Carlos Patrício da diretoria nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) surge quatro dias após a demissão da diretora, Luísa Maia Gonçalves.

Luísa Maia Gonçalves tomou a decisão numa reunião com a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, a qual resultou da falta de confiança que ambas reconheceram existir, conforme noticiou quinta-feira o DN.

Na base da decisão esteve o crescente mal-estar entre as duas responsáveis, acentuado com as posições de natureza técnica assumidas pelo SEF relativamente aos efeitos da nova Lei dos Estrangeiros, com base numa proposta do BE e que permite a concessão de residência a quem tenha uma promessa de trabalho.

O SEF considerou que essa norma iria produzir um "efeito de chamada" de estrangeiros a Portugal, o qual se verificou logo na primeira semana da entrada em vigor do diploma com um acréscimo significativo de novos pedidos de visto a chegarem àquele serviço.

O DN soube também hoje que Luísa Maia Gonçalves fora convidada pela tutela para ocupar outro cargo, que recusou apesar de ser mais bem remunerado que o de diretora do SEF e que envolveria frequentes idas ao estrangeiro, revelaram as fontes ouvidas pelo DN.

Joaquim Pedro Oliveira e António Carlos Patrício são inspetores superiores do SEF e assumiram funções como diretores adjuntos de Luísa Maia Gonçalves após esta ser nomeada pelo Governo, no início de 2016.

A decisão dos agora demissionários diretores adjuntos era assim esperada, ficando por saber se serão convidados a manter-se à frente do SEF - e se o aceitarão.

O PSD pediu sexta-feira a audição parlamentar urgente de Constança Urbano de Sousa e Luísa Maia Gonçalves, cuja saída foi qualificada pelo CDS-PP como um "saneamento político".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.