Costa quer dólares na agricultura: "Temos muita área por explorar no Alqueva"

Primeiro-ministro tenta seduzir investimento norte-americano no setor agroalimentar e para a reforma da floresta

António Costa quer mais investimento norte-americano no setor agroalimentar e lembrou, em Napa Valley, no estado norte-americano da California, que com o novo plano nacional de regadios, o país vai, até 2020, "alargar significativamente as áreas de exploração onde é importante atrair investimento", com mais 75 mil hectares de regadio, metade dos quais no Alqueva.

As declarações do primeiro-ministro foram feitas no decorrer de uma visita à fábrica da corticeira Amorim (líder mundial na produção de rolhas de cortiça) nos Estados Unidos, e Costa pegou nesse exemplo para dizer que o caso da cortiça "é exemplar, porque somos os maiores produtores de cortiça, mas há outras áreas onde podemos e devemos procurar exportar para os Estados Unidos da América".

"As nossas relações económicas com os Estados Unidos", sustentou, "podem ser nos dois sentidos, e a indústria agroalimentar pode ter um papel muito importante, e é importante atrair investimento americano para as novas oportunidades que existem em Portugal".

Salientando que "grande parte do investimento que tem aumentado no setor agroalimentar tem sido investimento direto estrangeiro e algum dele norte-americano", Costa quer atrair dólares também "para o desafio da reforma da floresta, onde precisamos de novos investidores que tenham uma visão empresarial da floresta e da sua exploração"

E, por isso, enfatizou que "É útil que os investidores estrangeiros conheçam essas oportunidades e, quando tiverem que decidir onde investir, tenham Portugal no mapa e invistam em Portugal".

Amorim: rolhas para dar seis voltas à terra. E algumas são de Coppola

A corticeira Amorim, fundada em 1870, é líder mundial na produção de rolhas: vende 5400 milhões de unidades por ano, tendo 28% da quota mundial. 94% das vendas anuais de 700 milhões de euros são feitas fora de Portugal, para 82 países.

Presente desde 1989 nos Estados Unidos, a Amorim construiu uma nova fábrica em 2011, dedicada à personalização de rolhas (importadas de Portugal), através de tinta e também usando a tecnologia mais recente, que usa laser para queimar a superfície, formando os desenhos ou mensagens pretendidos pelos clientes, que incluem Francis Ford Coppola: o cineasta, também produtor de vinhos, encomenda à Amorim rolhas para o espumante "Sofia", inspirado no nome da filha, também ela realizadora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.