Costa anuncia voo direto da TAP para a Califórnia

Lisboa será "a primeira cidade do sul da Europa a ter voos diretos de e para São Francisco", diz chefe do Governo para seduzir investimento norte-americano

O primeiro-ministro anunciou esta quarta-feira, em São Francisco, que a TAP vai ter uma ligação aérea direta entre Lisboa e a Califórnia a partir do próximo ano.

António Costa falava para uma plateia de investidores naquela cidade da costa oeste dos EUA, tentando seduzir investimento para as empresas portuguesas.

"Também há bom tempo, uma ponte igual à Golden Gate, elétricos e ótimos sítios para surfar", disse António Costa na sede do Sillicon Valley Bank, tentando sublinhar as semelhanças entre Lisboa e a Califórnia.

O primeiro-ministro falava na instituição que junta investidores de capital de risco para uma plateia que, somada, valia muitos milhões.

Num discurso em que tentou seduzir o investimento em startups e não só, António Costa disse que Portugal é a costa oeste da Europa, numa alusão à costa oeste dos Estados Unidos, também pelo ambiente de criação de negócios.

E exemplificou com as startups portuguesas de sucesso, muitas vezes global. Começando por avisar que "às vezes é difícil dizer que são portuguesas, porque todas têm nomes ingleses", enumerou uma série delas: a Farfetch, que atua no negócio da venda online de artigos de luxo, a Outsystems, ou a Codacy (todas no setor dos sistemas de informação), a Aptoid, que é uma loja independente de apps no sistema Android, a Feedzai, empresa de deteção de fraudes eletrónicas no comércio eletrónico, a Talkdesk, que fornece soluções cloud para centros de contacto com clientes, a Visionbox, especializada em reconhecimento eletrónico de identidade, ou a Unbabel, plataforma de tradução que usa inteligência artificial.

E, garantiu António Costa, a partir de 2019 o contacto entre as duas costas oeste (a americana e a portuguesa) vai ser mais fácil: a TAP vai passar a ter voos diretos entre Lisboa e a Califórnia, tornando a capital portuguesa "a primeira cidade do sul da Europa a ter voos diretos de e para São Francisco".

O discurso do chefe de governo, complementado por outro do ministro da Economia, não convenceu completamente Yoshi Tanaka, responsável do Softbank, que tem 200 mil milhões de euros para investir: é mais do que o PIB português.

Tanaka, que já esteve duas vezes em Portugal para participar no Websummit, considerou "interessante" a apresentação portuguesa, mas sublinhou que não conhece "os detalhes do cenário português, as companhias portuguesas". E por isso deixa uma sugestão: "que o governo português faça um roadshow para nos dar a conhecer o que está a acontecer"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.