Convergência rara. Alegre e Assis querem resposta do PS ao Bloco

Ex-candidato presidencial do PS e atual eurodeputado, divididos no apoio à geringonça, unem-se no entanto a exigir que a direção do partido não ignore ataques bloquistas

Um - Francisco Assis - é da direita do PS; outro - Manuel Alegre - é da esquerda. Assis é contra a geringonça, sempre o foi, desde o princípio; Alegre, pelo contrário, sempre a defendeu, até antes de acontecer (a sua candidatura presidencial de 2011 teve o apoio do PS e do BE).

Mas numa coisa agora convergem: consideram ambos, em declarações ao DN, que os ataques que o Bloco de Esquerda tem feito ao PS, por causa do chumbo à taxa das renováveis, têm de ter resposta dos socialistas. Uma entrevista de Catarina Martins ao Expresso, ontem, acendeu o rastilho.

"Sou defensor da geringonça. Mas não é aceitável ter uma situação em que há dois partidos [BE+PCP] que passam a vida a dar lições de moral a um outro [o PS], que as recebe, calado", afirmou ao DN Manuel Alegre.

É que - acrescentou - "este Governo não existiria se não fossem o BE e o PCP. Portanto, quer queiram quer não queiram, o BE e o PCP fizeram de facto uma coligação parlamentar com o PS", o que torna os ataques aos socialistas vindos da sua esquerda ainda mais inaceitáveis - e carentes de resposta.

Já o eurodeputado Francisco Assis - desde o início crítico da solução em que o PS assenta a sua governação - carrega nas tintas e afirma-se "siderado e espantado" com a "incapacidade de resposta" da direção do PS aos ataques de que tem sido alvo pelos partidos à sua esquerda, em particular estes últimos do Bloco de Esquerda. "Estaremos reféns?", interroga.

Dizendo que, na "absolutamente lamentável" entrevista ao Expresso, Catarina Martins "pôs em causa a honradez do PS", Assis considera que isto põe em evidência de, no seu partido, se "começar a pensar além da geringonça" para "fazer a batalha do centro político". "Nunca vi Assunção Cristas fazer acusações tão fortes e no entanto a essas o primeiro-ministro respondeu", afirma ainda.

Para Assis, o súbito agravamento da tensão entre o PS e o BE na fase final da aprovação do Orçamento do Estado para 2018, decorre do facto de "estar esgotada" a fase do entendimento entre o PS e os partidos à sua esquerda em que se "faziam as reposições de rendimentos". Assim, agora "vem ao de cima" o "problema insanável" da maioria de esquerda - o de ser "demasiado heterogénea".

Na entrevista, Catarina Martins insistiu na ideia de que "o PS é permeável" a lóbis e isso "vê-se na medida da energia, na recusa de mudar a legislação laboral" e "na forma como continua a proteger o setor privado da saúde, numa altura em que é tão necessário proteger o SNS".

Ou seja: "O PS faz parte de um centro político em Portugal que ao longo dos tempos promoveu a promiscuidade entre grandes interesses económicos e a decisão política". E agora que governa apoiado à esquerda está a frustar a "enorme expetativa" criada, "desde logo na base do PS", de que seria "capaz de colocar os interesses económicos onde devem estar e não a mandar no poder política".

Na entrevista, Catarina Martins criticou também a escolha pelo Governo de Maria de Belém para coordenar a revisão da lei de Bases da Saúde - naquilo que foi uma resposta objetiva dos socialistas ao projeto apresentado em livro pelos históricos do PS António Arnaut e do BE João Semedo (Salvar o SNS)

Embora agora critique a entrevista de Catarina, Manuel Alegre vai associar-se a esse projeto, apresentando o livro quando for o seu lançamento oficial (6 de janeiro, em Coimbra).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.