Carros mal estacionados obrigaram elétricos a parar 621 horas num ano

Carris encaixou 75 mil euros de indemnizações de carros que impediram a passagem de elétricos

A Carris arrecadou em 2017 cerca de 75 mil euros devido aos veículos mal-estacionados que impediram a passagem normal dos elétricos, o que resultou num total de 621 horas de imobilização, avançou hoje a empresa.

"Tendo por referência o ano de 2017, e para as carreiras de elétricos, registámos cerca de 900 interrupções com um total de 621 horas de imobilização. Os proprietários dos veículos infratores, depois de identificados através da certidão emitida pela Conservatória do Registo Automóvel, são interpelados pelo departamento de contencioso da Carris para o pagamento de indemnização pelos prejuízos provocados", refere a empresa num comunicado enviado à Agência Lusa.

Das 900 interrupções registadas, mais de metade foram objeto de pedido de indemnização, "não uma multa ou coima", conforme esclarece a Carris, mas de indemnização no âmbito da responsabilidade civil extracontratual, cujo valor depende de vários fatores, entre os quais, tempo de interrupção e quantidade de veículos imobilizados.

Desta forma, a Carris foi indemnizada, no ano passado, no valor total de 74.235 mil euros.

Segundo a empresa, as interrupções à normal circulação foram causadas, maioritariamente, por veículos mal-estacionados, tendo um forte impacto na pontualidade e regularidade das carreiras de autocarros e elétricos.

De forma a combater estas situações abusivas, a empresa esclarece ter em todo o período útil do dia uma equipa "dedicada ao combate da utilização indevida dos corredores BUS e paragens, bem como à fiscalização do estacionamento indevido", numa parceria entre Carris e Polícia Municipal.

Fonte da empresa avançou ainda que, além desta sinergia, foi iniciado, no final do ano passado, um projeto entre a Carris, Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL) e Polícia Municipal, que tem por missão "resolver de forma célere as incidências de impacto na Carris".

Para que tal aconteça, existe na Central de Comando de Tráfego um elemento da Polícia Municipal e outro da EMEL, que estão em constante articulação com os respetivos centros de controlo operacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?