Câmara de Lisboa gasta 57 mil euros em cartolas

CDS critica gastos com passagem de ano no Terreiro do Paço.

A Câmara de Lisboa vai oferecer aos foliões que vão estar na Praça do Comércio na noite de passagem de ano 30 mil cartolas de plático, brilhantes, vermelhas e pretas. A compra deste acessório terá custado à autarquia 57 mil euros, avança o jornal i.

A compra foi feita através da Egeac, a empresa municipal que gere os equipamentos de animação cultural na cidade e que está a organizar os festejos de passagem de ano. De acordo com o i, o preço das cartolas "representa uma parte significativa dos 650 mil euros" que o presidente da câmara, Fernandio Medina, conta gastar com o réveillon. O espetáculo pirotécnico, por exemplo, custará 74 mil euros (mais IVA) e a contratação da fadista Ana Moura, no dia 29 de dezembro, fica por 23 mil euros (mais IVA).

Citado pelo mesmo jornal, João Gonçalves Pereira, vereador do CDS-PP na câmara de Lisboa, considera estes gastos "imorais", "principalmente quando se diz que não há dinheiro para bairros sociais, creches ou programas de apoios a idosos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.