Câmara de Lisboa gasta 57 mil euros em cartolas

CDS critica gastos com passagem de ano no Terreiro do Paço.

A Câmara de Lisboa vai oferecer aos foliões que vão estar na Praça do Comércio na noite de passagem de ano 30 mil cartolas de plático, brilhantes, vermelhas e pretas. A compra deste acessório terá custado à autarquia 57 mil euros, avança o jornal i.

A compra foi feita através da Egeac, a empresa municipal que gere os equipamentos de animação cultural na cidade e que está a organizar os festejos de passagem de ano. De acordo com o i, o preço das cartolas "representa uma parte significativa dos 650 mil euros" que o presidente da câmara, Fernandio Medina, conta gastar com o réveillon. O espetáculo pirotécnico, por exemplo, custará 74 mil euros (mais IVA) e a contratação da fadista Ana Moura, no dia 29 de dezembro, fica por 23 mil euros (mais IVA).

Citado pelo mesmo jornal, João Gonçalves Pereira, vereador do CDS-PP na câmara de Lisboa, considera estes gastos "imorais", "principalmente quando se diz que não há dinheiro para bairros sociais, creches ou programas de apoios a idosos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.