Arraiais com pimba e sem pimba, com sardinhas ou com sushi

Não há desculpa para ficar em casa esta noite. Conheça alguns dos arraiais mais originais em Lisboa.

Arraial Maravilhoso

O Café Com Calma, um dos espaços mais conhecidos de Marvila, tem o seu próprio arraial na nova esplanada, que fica mersmo em frente, Cantinho Com Calma (uma parceria com o Cantinho Do Vintage). Haverá sardinhas, caracóis, veggie food, bifanas, chouriço assado, caldo verde e música.

Cantinho com Calma
Rua do Açúcar, 19, Marvila
A partir das 18.00

Arraial do Capitólio

O espetáculo Deixem o Pimba em Paz, de Bruno Nogueira, Manuela Azevedo, Filipe Melo, Nuno Rafael e Nelson Carvalho é cabeça de cartaz neste arraial. Susana Vinagre faz o warm up e depois do espetáculo a música fica por conta do DJ Alvim até ao encerramento do espaço, às 2.00. O menu do jantar inclui caldo-verde com broa de milho, duas sardinhas assadas no pão, uma bifana e duas bebidas.

Cineteatro Capitólio
Parque Mayer
A partir das 20.00
Bilhetes: 20 euros (sem jantar) ou 30 euros (com jantar)

O terraço é lindo!

O Torel Palace e o Restaurante Cave 23 organizam um arraial num palacete vazio perto do Campo Mártires da Pátria. No terraço vai haver porco a assar no espeto e no jardim de 300 metros quadrados música ao vivo, DJ, comidas e bebidas, incluindo sardinhas e bolas de Berlim recheadas com rabo de boi (do chefe Bernardo Agrela).

Rua Câmara Pestana, 36, Torel
A partir das 17.00
Entrada: 10 euros consumíveis em senhas

Santos no Intendente

A Casa Independente tem arraial a partir das 19.00 com os DJ Sien, Incêndio Soundsisters, Celeste Mariposa e Dotorado Pro (a entrada é livre até às 23.00, depois paga-se 5 euros com direitos a uma cerveja). Enquanto isso, no largo há funk,cumbias e outros ritmos. Barraquinhas de comidas e bebidas e muito espaço para dançar ao som de G Combo, Miguel Kopke, Tropical Bairro, Selecta OrkA, Le Cirque du freak, MASTA B e Dj 2oldschool.

Largo Intendente Pina Manique
A partir das 16.00

Arraial da Saudade

A Saudade Guest House, em Alfama, vai abrir as suas portas esta noite para um arraial um pouco diferente. A responsável pelo espaço, Liliana Nunes, desafiou os hóspedes a serem os anfitriões na noite de Santo António. São aqueles que residem neste momento ali - uma fotógrafa, uma advogada, um cozinheiro, um barman - que vão fazer as honras da casa e receber os visitantes a partir das 16.00 com uma bebida, música e muitas histórias.

Saudade Guest House
Rua Augusto Rosa, 14 - 2º andar, Alfama
A partir das 16.00

Arraial Santos da Filho Único

Quem não gosta da música típica dos santos populares, pode optar pelo arraial da Filho Único. Há concertos dos duos Migas e Éme & Moxila, do angolano Chalo Correia e da Banda Equador e a noite prossegue animada com os DJ Varela, Hipster Pimba e Rita Só. Com serviço de bar e grelha.

Palácio do Machadinho
Rua Machadinho, 20, Madragoa
A partir das 17.00

Anjos Populares

Santos populares alternativos com concertos, DJ, pinturas de murais e tattoos. Não haverá sardinhas mas haverá comida japonesa, síria, indiana e caboverdiana - todas vegan friendly. A música é distribuída por La Favi, Iguana Garcia, Pedro Mafama, Petergrabriel Duo, Tofu e Marie.

Regueirão dos Anjos, 70
A partir das 18.00

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.