Arraiais com pimba e sem pimba, com sardinhas ou com sushi

Não há desculpa para ficar em casa esta noite. Conheça alguns dos arraiais mais originais em Lisboa.

Arraial Maravilhoso

O Café Com Calma, um dos espaços mais conhecidos de Marvila, tem o seu próprio arraial na nova esplanada, que fica mersmo em frente, Cantinho Com Calma (uma parceria com o Cantinho Do Vintage). Haverá sardinhas, caracóis, veggie food, bifanas, chouriço assado, caldo verde e música.

Cantinho com Calma
Rua do Açúcar, 19, Marvila
A partir das 18.00

Arraial do Capitólio

O espetáculo Deixem o Pimba em Paz, de Bruno Nogueira, Manuela Azevedo, Filipe Melo, Nuno Rafael e Nelson Carvalho é cabeça de cartaz neste arraial. Susana Vinagre faz o warm up e depois do espetáculo a música fica por conta do DJ Alvim até ao encerramento do espaço, às 2.00. O menu do jantar inclui caldo-verde com broa de milho, duas sardinhas assadas no pão, uma bifana e duas bebidas.

Cineteatro Capitólio
Parque Mayer
A partir das 20.00
Bilhetes: 20 euros (sem jantar) ou 30 euros (com jantar)

O terraço é lindo!

O Torel Palace e o Restaurante Cave 23 organizam um arraial num palacete vazio perto do Campo Mártires da Pátria. No terraço vai haver porco a assar no espeto e no jardim de 300 metros quadrados música ao vivo, DJ, comidas e bebidas, incluindo sardinhas e bolas de Berlim recheadas com rabo de boi (do chefe Bernardo Agrela).

Rua Câmara Pestana, 36, Torel
A partir das 17.00
Entrada: 10 euros consumíveis em senhas

Santos no Intendente

A Casa Independente tem arraial a partir das 19.00 com os DJ Sien, Incêndio Soundsisters, Celeste Mariposa e Dotorado Pro (a entrada é livre até às 23.00, depois paga-se 5 euros com direitos a uma cerveja). Enquanto isso, no largo há funk,cumbias e outros ritmos. Barraquinhas de comidas e bebidas e muito espaço para dançar ao som de G Combo, Miguel Kopke, Tropical Bairro, Selecta OrkA, Le Cirque du freak, MASTA B e Dj 2oldschool.

Largo Intendente Pina Manique
A partir das 16.00

Arraial da Saudade

A Saudade Guest House, em Alfama, vai abrir as suas portas esta noite para um arraial um pouco diferente. A responsável pelo espaço, Liliana Nunes, desafiou os hóspedes a serem os anfitriões na noite de Santo António. São aqueles que residem neste momento ali - uma fotógrafa, uma advogada, um cozinheiro, um barman - que vão fazer as honras da casa e receber os visitantes a partir das 16.00 com uma bebida, música e muitas histórias.

Saudade Guest House
Rua Augusto Rosa, 14 - 2º andar, Alfama
A partir das 16.00

Arraial Santos da Filho Único

Quem não gosta da música típica dos santos populares, pode optar pelo arraial da Filho Único. Há concertos dos duos Migas e Éme & Moxila, do angolano Chalo Correia e da Banda Equador e a noite prossegue animada com os DJ Varela, Hipster Pimba e Rita Só. Com serviço de bar e grelha.

Palácio do Machadinho
Rua Machadinho, 20, Madragoa
A partir das 17.00

Anjos Populares

Santos populares alternativos com concertos, DJ, pinturas de murais e tattoos. Não haverá sardinhas mas haverá comida japonesa, síria, indiana e caboverdiana - todas vegan friendly. A música é distribuída por La Favi, Iguana Garcia, Pedro Mafama, Petergrabriel Duo, Tofu e Marie.

Regueirão dos Anjos, 70
A partir das 18.00

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...