"O grande museu dos Descobrimentos está todo no fundo do mar"

Alexandre Monteiro afirmou que ainda há muito a fazer para "trazer à superfície" aquele que será o futuro museu dos Descobrimentos

O arqueólogo náutico e subaquático Alexandre Monteiro disse esta quarta-feira ao primeiro-ministro, António Costa, que o "grande museu" dos Descobrimentos portugueses continua no "fundo do mar".

"É importante referir que o grande museu dos Descobrimentos portugueses e da Expansão - e que ainda não está feito - está todo no fundo do mar", sustentou Alexandre Monteiro, que participou nos trabalhos de localização do Roberto Ivens, navio da Marinha Portuguesa, atingido por uma mina alemã, durante a Grande Guerra, ao largo de Lisboa.

A cerimónia militar de homenagem aos 15 tripulantes do Roberto Ivens desaparecidos no momento do choque com a mina alemã, no dia 27 de julho de 1917, realizou-se hoje a bordo da fragata Bartolomeu Dias, na presença do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

O navio caça-minas Roberto Ivens foi localizado em 2015, sendo que o Instituto Hidrográfico da Marinha colaborou com os trabalhos de investigação dos arqueólogos do Instituto de Arqueologia e Paleociências da Universidade Nova de Lisboa.

Uma das fontes decisivas para a localização do Roberto Ivens foi a descoberta e investigação do diário de guerra do submarino alemão UC54, que lançou várias minas na foz do Tejo.

Durante a visita a uma exposição sobre o caça-minas, montada na popa da fragata Bartolomeu Dias, o arqueólogo Alexandre Monteiro alertou o chefe do Governo para o facto de haver ainda muito a fazer para "trazer à superfície" um futuro museu dos Descobrimentos.

Nós, no Instituto de História Contemporânea e Instituto de Arqueologia e Paleociências, temos feita a carta de todos os naufrágios e podemos oferecê-la ao Ministério da Cultura

O arqueólogo acrescentou que "é tempo de se passar" à identificação dos navios afundados e que devem ser explorados.

Antes, António Costa afirmou, durante a cerimónia militar, que ainda há um longo caminho a percorrer na salvaguarda do património histórico que "jaz" no fundo do mar, recordando que Portugal ratificou, em 2006, a convenção sobre património cultural subaquático da UNESCO.

"Ao Estado, cabe agora a responsabilidade de agir e encontrar os mecanismos de cooperação e as parcerias indispensáveis para satisfazer este desiderato. Desde logo, mapear os vestígios arqueológicos de que há conhecimento", afirmou o primeiro-ministro.

A deposição de flores e os disparos de três tiros de salva em memória das vítimas, efetuados a partir da corveta João Roby, decorreram ao final da manhã no local onde o Roberto Ivens se encontra, a quatro milhas náuticas a sul do forte do Bugio, na barra do Tejo, Lisboa.

Na cerimónia estiveram alguns descendentes dos tripulantes do navio, mortos durante a Primeira Guerra Mundial.

"Nunca pensei viver até este dia, e nunca pensei que os mortos pudessem ser finalmente homenageados numa cerimónia como esta", disse à Lusa Maria Fernanda Gargaté Cascais, neta do primeiro-tenente Raul Cascais, comandante do Roberto Ivens desaparecido após a explosão da mina alemã, em julho de 1917.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.