Aluguer de monumentos nacionais rendeu 420 mil euros

O valor registado em 2016 pela direção-geral do Património Cultural (DGPC) pelo aluguer de monumentos e palácios representou apenas 2,2% das receitas

O aluguer dos 23 monumentos e palácios nacionais rendeu, em 2016, um total de 419.154 euros. De acordo com os números obtidos pelo jornal Público este valor representa apenas 2,2% das receitas da DGPC. Entre estes monumentos está o Panteão Nacional, onde um jantar de encerramento da Web Summit, no passado fim de semana, abriu a discussão sobre este "negócio" de cedência destes espaços.

Apesar do peso pouco significativo dos alugueres, em declarações a este jornal a presidente da comissão portuguesa do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios, Maria de Magalhães Ramalho, defendeu a imposição de regras mais "restritivas", no âmbito da prometida revisão do despacho 8356/2014, que regulamenta esta atividade. Para esta perita está em causa uma visão "comercial" do património. "O que a mim me parece estranho é que esta questão do aluguer de um monumento nacional para uma iniciativa privada, limitada a uma elite, esteja a ser discutida agora como se fosse uma novidade. Jantares destes acontecem por todo o lado no país, nos monumentos que são de todos. Estão tabelados como um catálogo de compras e são o reflexo de políticas que têm olhado para o património com puro interesse comercial. Não é uma questão só deste governo nem só desta direção-geral", alerta.

No site da DGPC existe uma área designada "Cedência e aluguer de espaços em museus e monumentos", na qual é feita uma apresentação de cada espaço, descrevendo as condições disponíveis, desde o estacionamento, cadeiras e mesas, serviços e o tipo de eventos permitidos. No Panteão, por exemplo, estão autorizados "Banquetes, receções, conferências, recitais de música ou poesia, lançamento de livros, atos solenes, atividades de índole cultural, mostras, exposições". No Mosteiro dos Jerónimos, são permitidos exatamente os mesmos eventos.

Os monumentos mais requisitados para alugueres em 2016 foram, por esta ordem, o Mosteiro dos Jerónimos, o Palácio da Ajuda, o Museu dos Coches e o Mosteiro de Alcobaça. Mas as verbas dessas cedências são centralizadas na DGPC, que depois as distribui por todas as instituições que tutela. Ou seja, não servem diretamente para a manutenção e restauro dos mesmos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)