Advogados queixam-se que despesas absorvem todo o rendimento

Advogados e solicitadores marcharam contra um regime contributivo que não lhes dá apoio na doença ou na gravidez

Ana Paiva e Georgina Rodrigues, duas jovens advogadas de Leiria que lutam para pagar em conjunto as despesas do escritório que alugaram naquela cidade, ao final do mês, vieram ontem a Lisboa engrossar a marcha silenciosa que levou centenas de "togas negras" em protesto desde a sede da Caixa de Previdência dos Advogados, Solicitadores e Agentes de Execução (CPAS, no Largo de São Domingos, até ao Ministério da Justiça, no Terreiro do Paço.

Contra o regime contributivo em vigor, que obriga a maioria destes profissionais liberais a pagar 243,60 euros por mês (a partir deste ano) para a CPAS (Caixa), as leirienses Ana e Georgina, ambas com 29 anos, descreveram ao DN como é difícil chegar ao final do mês sem sufocar. "Ainda não temos mais de quatro anos de profissão pelo que pagamos o CPAS no segundo escalão, que é de 60 euros mensais cada. Somos três sócias no escritório. Mas as despesas fixas, incluindo a renda do escritório de 180 euros, os portáteis, a impressora, água e luz, ascendem a centenas de euros. Cada uma tem de usar o seu carro. E já poupamos em não ter um único funcionário", contou Ana Paiva. "A verdade nua e crua é que ao fim do mês não temos lucro nenhum".

O que as jovens advogadas querem é "isenção de pagar o regime contributivo" quando ainda estão a começar a atividade. E contributos mais suaves do que os atuais para a CPAS. Quando o DN perguntou como era para os profissionais em início de carreira com família própria, Ana Paiva não escondeu o espanto: "Advogados com menos de 30 anos a terem filhos? Quase não há". Com outro desafogo financeiro, a solicitadora Luísa Patrão, de 49 anos, de Lisboa, é, no entanto, das mais reivindicativas. "Tenho a cargo quatro funcionários. As minhas despesas fixas são de 10 mil euros, entre salários, renda de escritório, etc". Luísa justifica as despesas com os"muitos processos de execução" que tem. A contribuição da profissional é de 243,60 euros (a partir de janeiro). "Eu tenho de agradecer à Segurança Social o facto de nestes 23 anos me pagar os medicamentos. Porque em qualquer hospital onde eu vá com o meu cartão da CPAS ninguém o reconhece em lado nenhum", sublinhou, com uma nota de ironia."Eu tive um acidente de viação há um ano que me obrigou a ficar três meses em casa mas tive de continuar a pagar CPAS. Mas não tenho direito a baixa". Luísa padece também de uma doença crónica há 15 anos, a fibromialgia (fadiga crónica), mas não tem qualquer assistência na doença através da CPAS. "Optei por ter um seguro de saúde e recorrer a médicos particulares".

A advogada Cristina Vilar Santos, 53 anos, de Lisboa, uma das mobilizadoras do movimento, critica o regime contributivo porque "presume que a maior parte dos profissionais recebe dois salários mínimos por mês o que não é verdade".

O Ministério da Justiça (MJ) esclareceu que "a sustentabilidade do CPAS está ameçada por dívidas relativas a contribuições de associados que , em 2017, ascenderam a 132 milhões de euros" e que por opção da Caixa "não foi promovido o pagamento coercivo". O MJ está a analisar uma proposta avançada pela CPAS, juntamente com os ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.