Advogada sacou milhões com burlas nos vistos Gold

Chegou a deslocar-se à China e África do Sul para angariar clientes. Recebia o dinheiro mas depois fazia as escrituras das casas em seu nome

Os cidadãos estrangeiros acreditavam que tinha à frente uma advogada que iria resolver os seus problemas com a autorização de residência em Portugal através dos Vistos Gold. Eram sobretudo brasileiros, sul-africanos e chineses e confiavam a Maria Antónia Cameira verbas avultadas, na ordem dos milhões, para assegurar a compra de moradias, no mínimo a valer 500 mil euros. Mas a advogada, que se encontra em prisão preventiva desde julho do ano passado, acabava por ficar com o dinheiro e está agora acusada pelo Ministério Público de crimes de burla qualificada e falsificação de documentos. Além da advogada, também o escritório que representava é arguido.

De acordo com a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), a acusação indica que, pelo menos desde 2014, tendo em conta os processos de vistos gold, a arguida "elaborou um plano, utilizando uma sociedade de advogados, da qual era legal representante, que consistia em promover os seus serviços jurídicos, bem como a aquisição de propriedades imobiliárias, junto dos mesmos".

Mas o esquema ia mais além do que o mero serviço jurídico. "Como parte do plano, obtidas as quantias monetárias referentes aos imóveis, a arguida, ao invés de efetuar as correspondentes escrituras e compra e venda, para as quais era mandatada, vinha a fazê-las suas, forjando informações do SEF, cadernetas prediais e certidões permanentes dos imóveis, criando aos investidores a convicção da aquisição dos mesmos e do regular andamento do processo junto do SEF, por forma a não ser detetada", informa a PGDL, que não adiantou valores. Mas na altura da detenção estavam referenciados cerca de 10 milhões de euros na burla.

A advogada chegou mesmo a ir à África do Sul e à China para contactar potenciais clientes. "Para divulgação da sua suposta atividade de intermediação na aquisição de propriedades e prestação de serviços jurídicos na obtenção de vistos Gold, a arguida fazia publicidade na Internet, efetuava acordos de cooperação com agências e angariadores imobiliários e deslocava-se a diversos países onde contactava com possíveis clientes, nomeadamente, na África do Sul e China".

O inquérito foi dirigido pelo MP na 8ª secção do DIAP de Lisboa, com a coadjuvação da PJ, e se os arguidos não requererem a instrução irá em breve para julgamento.

Condenada em Inglaterra

Esta advogada já foi condenada em Inglaterra a seis anos de prisão, por se ter apropriado de forma indevida de 312 mil euros de um cliente de escritórios de advocacia que dirigia em Londres. O dinheiro serviu, segundo o tribunal britânico, para pagar despesas e financiar a vida luxuosa da portuguesa. Foi julgada à revelia em 2012 tendo fugido para Lisboa antes da condenação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.