Advogada que diz falar com os mortos quis saber se atividades eram incompatíveis

Conselho Regional de Coimbra da Ordem dos Advogados deu o seu aval à prática holística mas alerta que "o escritório de advocacia deve ser integralmente distinto do local da prática curativa pela Luz"

Uma advogada que afirma "falar com o Além" desde os 9 anos e que é "detentora de vários cursos esotéricos e holísticos" pediu um Parecer à Ordem dos Advogados (OA), para saber se pode continuar a exercer a advocacia em simultâneo com a prática holística. O pedido, enviado para o Conselho Regional de Coimbra, recebeu resposta positiva a 11 de janeiro, mas o redator do documento decidiu citar Shakespeare e até a Bíblia, para justificar a decisão do Conselho. "Há mais coisas entre o céu e a Terra do que as da tua filosofia" é uma das frases (da obra Hamlet) que constam no Parecer.

O documento, que pode ser consultado na íntegra na página da Ordem dos Advogados (Conselho Regional de Coimbra), refere que a advogada que "usa o nome profissional de FR (...), dirigiu a este Conselho comunicação em que pretende colher parecer sobre a existência ou não de incompatibilidade entre a advocacia e outra atividade, que não classifica mas que proficientemente descreve e contextualiza".

Para não existirem dúvidas do contexto descrito, o documento explica que FR "afirma-se possuidora da capacidade de falar com o Além desde a idade de 9 (nove) anos, altura em que também se apercebeu da respetiva capacidade mediúnica".

A advogada, além do curso de Direito, informou a OA de que também possui "vários cursos esotéricos e holísticos": Reiki, Hipnose de Regressão das Vidas Passadas e de Terapia Dimensional ou Cura do Coração: todos estes conhecimentos baseiam-se, segundo FR, "na energia e Seres de Luz", e aproveita ainda para esclarecer que "o culto desses conhecimentos configura uma religião - o Espiritismo".

A "situação" foi apreciada pelo Conselho Regional de Coimbra da OA que recorda a Constituição da República Portuguesa no sentido em que esta assegura a liberdade de consciência e de culto (artigo 42º, 1) e que, entre outras conclusões, indica que "não se descortina como a independência e a isenção da advocacia possam vir (...) a ser afetadas pelo desenvolvimento paralelo de ações conexas com o espiritismo".

O redator do Parecer, Jacob Simões, recorda, no entanto, que no exercício "deve imperar uma lógica que se pretende estritamente racional" e que neste ponto, a "discussão já assume maiores melindre e dificuldade", até porque, traduzindo para termos mais simples a redação de Simões, quem não acredita em "vidas passadas" pode atribuir à atividade da advogada um "caráter quase burlesco".

Mas eis que aqui se apela de novo à Constituição, no que diz respeito à liberdade religiosa. E o redator do Parecer - que é vinculativo - passa a citar Shakespeare, na peça Hamlet: "há mais coisas entre o céu e a terra do que as da tua filosofia".

A conclusão é a de que "quem se dedica a essa espécie de estudos e práticas não sofre de qualquer diminuição na sua capacidade de exercer a advocacia".

O autor do Parecer quis ainda usar uma frase da Bíblia e cita Mateus (22, 21): "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus". E o que pretende dizer Jacob Simões com este trecho religioso? Que "o escritório de advocacia deve ser integralmente distinto do local da prática curativa pela Luz".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.