31 municípios não estão preparados para lei que impede abate de animais em canis

A lei entra em vigor em setembro e proíbe a eutanásia em canis municipais como forma de controlo de animais de rua

Entra em vigor em setembro a lei que proíbe que se abatam animais nos canis municipais como medida para controlar animais de rua. No entanto, num país onde só o ano passado se abateram perto de 12 mil cães e gatos ainda há 31 concelhos que nem sequer canis possuem, segundo avança a edição desta quinta-feira do jornal Público.

O PAN lançou um inquérito a nível nacional sobre o assunto e apurou que em 23% dos municípios portugueses ainda matam cães e gatos saudáveis.

O número é muito elevado e o Governo há dois anos que luta contra uma mudança de paradigma. Em 2016, o executivo socialista deu até este ano para que as autarquias se adaptassem aos chamados centros de recolha de animais ao fim dos abates.

Perante o número de concelhos ainda sem canis, o Público adianta que, num debate promovido recentemente pelo PAN, o diretor-geral de Veterinária admitiu a possibilidade de o Governo estender o prazo.

Esta ideia não foi bem recebida pelas entidades protetoras dos animais, que defendem que "existem alternativas mais humanas" do que continuar a abater animais de rua.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.