Integrar o governo? "Lutamos por isso!", diz Carlos Carvalhas

O antigo secretário-geral do PCP quer ver os comunistas no governo, com "uma correlação de forças diferente"

O ex-secretário geral do PCP e atual membro do Comité Central, Carlos Carvalhas, vê com bons olhos a presença dos comunistas num futuro governo. Em declarações ao DN e à Antena 1, questionado sobre se imaginava o PCP a integrar um governo numa solução como a da atual maioria, não hesitou: "Lutamos por isso. Por uma correlação de forças diferente", sublinhou.

Carvalhas explicou que a "intervenção do partido far-se-á de acordo com a correlação de forças que os portugueses decidirem nas eleições. Se ela for favorável a que o PCP esteja mais presente na ação do governo ou mesmo no governo, naturalmente que assumiremos as nossas responsabilidades. Não para continuar a mesma política, como a da União Europeia, mas para servir o nosso país como entendemos".

Carlos Carvalhas, 75 anos, foi secretário-geral adjunto de Álvaro Cunhal de 1990 a 1992 e liderou o PCP entre 1992 e 2004, quando foi substituído por Jerónimo de Sousa. É economista e militante do partido desde 1969.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.