Guterres regressa ao Largo do Rato para falar de refugiados

Ciclo de preparação do congresso do PS arranca hoje, com conferência onde estará CEO do BPI, Fernando Ulrich. Antigo alto-comissário fala a 19 de maio na sede socialista

António Guterres regressa ao Largo do Rato para uma conferência do PS sobre o papel de Portugal na crise dos refugiados, a 19 de maio. Era um encontro já prometido, desde que o antigo primeiro-ministro socialista participou em fevereiro nas jornadas parlamentares do PSD.

Na altura, então ainda sem data prevista, a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, tinha antecipado a participação do também ex-alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados num ciclo de conferências socialista, a caminho do 21.º congresso do partido. Ana Catarina Mendes explicou, na altura, que Guterres estará à conversa com refugiados "que hão de chegar e já chegaram" a Portugal.

Hoje realiza-se a primeira conferência - que será sobre o setor bancário -, para a semana, no dia 10, a atenção dos socialistas recai sobre a precariedade e, por fim, a 24 haverá um debate sobre políticas da família, que PSD e CDS têm insistido em colocar na agenda. Pelo meio há Guterres.

O antigo secretário-geral do PS tem andado em campanha para secretário-geral da ONU (ver texto ao lado) e não se tem furtado a nenhum encontro com as várias forças partidárias - já esteve com PCP e BE, depois participou nas jornadas da bancada do PSD, agora regressa à casa onde mandou durante dez anos.

Esta passagem pelo Rato, quando liderou o PS de 1991 a 2001, serviu-lhe mesmo de argumento, numa audição informal aos vários candidatos a sucessores de Ban Ki--moon, a 12 de abril. "Toda a minha vida geri crises, fui líder de um partido durante dez anos, não há nada pior em relação a gerir crises do que liderar um partido", disse, a dado passo da audição.

Homens da banca na sede do PS

Hoje, pelas 18.00, quem entrará na sede socialista - para a conversa sobre o setor bancário em Portugal, moderada pelo deputado João Galamba - são homens fortes da banca, como Fernando Ulrich, o presidente da comissão executiva da administração do BPI, Faria de Oliveira, que dirige a Associação Portuguesa de Bancos, e Luís Filipe Costa, da administração do Montepio Investimento.

Outros oradores são José António Barros, que preside à Unidade de Missão para a Recapitalização de Empresas, Carlos Costa Pina, da administração da Galp Energia e antigo secretário de Estado do Tesouro e Finanças nos governos de José Sócrates, e Eurico Brilhante Dias, o deputado socialista que é relator na Comissão de Inquérito ao Banif.

Os socialistas propõem-se discutir "o novo enquadramento regulatório" da banca, "as taxas de juro negativas, o volume crédito malparado, a baixa rentabilidade dos ativos", um ambiente novo para os bancos. É neste quadro que os socialistas abrem a conversa "a todos, sobre temas que marcam a atualidade".

Ana Catarina Mendes tinha apresentado esta iniciativa (em fevereiro, nas jornadas parlamentares do PS, em Vila Real) como "Os fins de tarde do Largo do Rato", um novo espaço de debate promovido pelo partido na sede socialista. Mas agora o nome deste ciclo de conferências ficou-se por Conversas PS 21, uma referência ao congresso socialista que terá lugar no início de junho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG