Governo quer mais mulheres na política. Partidos reticentes

Listas com mais mulheres, alargadas às freguesias. PCP é contra, PS e BE a favor, restantes partidos esperam para ver

O governo quer obrigar os partidos a terem mais mulheres eleitas, mas por enquanto os partidos têm reticências e dúvidas sobre a proposta que foi aprovada no Conselho de Ministros no Dia Internacional da Mulher, a 8 de março. PS e BE estão de acordo, mas o PCP é, por princípio, "contra a lei da paridade".

No diploma aprovado, cujo texto ainda não chegou ao Parlamento, o governo aumenta o limiar de representação de 33,3% para 40%, amplia o âmbito de aplicação da lei às freguesias, altera a regra de ordenação das listas, com os dois primeiros lugares a serem ocupados por candidatos de sexo diferente, obriga à substituição dos eleitos por um candidato do mesmo sexo da lista, e como sanção aplica "a regra geral de rejeição da lista incumpridora".

O PS saudou estas propostas, por entender que se deu - nas palavras da deputada Elza Pais - "um passo importante no sentido de eliminar as desigualdades entre géneros e que continuam a afetar, sobretudo, as mulheres, em matérias como a conciliação entre vida profissional e familiar, a desigualdade salarial e a segregação ocupacional".

O PSD ainda não discutiu o diploma, mas o deputado Carlos Peixoto notou que o partido "não deve manifestar qualquer resistência" à alteração de 33,3% para 40%. Já as outras propostas merecem mais atenção, defendeu, como a da substituição direta, por poder introduzir "alguma disfunção" sobre quem se elege. Insistindo que esta é a sua opinião, Carlos Peixoto notou que o PSD não tem uma posição fechada.

A deputada bloquista Sandra Cunha notou ao DN que falta uma "análise mais detalhada das propostas". Em todo o caso, "concordamos e apoiamos estas propostas", ainda que "possa existir dúvidas sobre se a substituição direta por uma pessoa do mesmo género pode colidir com direitos dos eleitos" nessa mesma lista.

Sandra Cunha disse que está ciente de que "esta proposta vai dificultar a vida dos partidos, BE incluído". "Partidos que defendem e lutam pela igualdade de género terão de trabalhar um bocadinho mais e cumprir as regras e a lei", afirmou, notando que o que acontece é que as listas cumprem a lei da paridade, mas depois, na hora de assumir funções, há menos mulheres efetivas. O próprio BE tem seis deputadas em 19 parlamentares, o que é menos do que os 33% das listas (ver infografia). Ainda assim, o aumento do limiar de representatividade para os 40% é "bem-vindo", defendeu.

O PCP, "por princípio, está contra", notou ao DN a deputada Rita Rato. "É uma posição de princípio, pelo que representa de condicionamento na vida interna de um partido", explicou-se, "além de tentar tratar de forma administrativa problemas estruturais".

Rita Rato recordou que o Parlamento na legislatura anterior (de 2011 a 2015) foi o que teve mais mulheres e "foi também dos que mais decidiram contra os direitos das mulheres", ao aprovar cortes nas pensões ou o aumento das horas de trabalho na administração pública, medidas que penalizaram sobretudo mulheres. "Não basta dizer que os direitos das mulheres ficam defendidos se existirem mais mulheres."

Os dois partidos mais partidários, PEV e CDS, remetem uma posição mais definitiva para depois de uma análise mais aprofundada, mas o PEV fez saber, por fonte oficial, que tem desde já dúvidas sobre a substituição dos mandatos por pessoas do mesmo sexo. Por enquanto, "não há sentido conclusivo de voto do PEV".

Fonte da bancada do CDS remeteu uma análise para a comissão executiva e grupo parlamentar, "até porque ainda não existe agendamento", mas fez notar ao DN que "o líder parlamentar lembra que sempre houve opiniões diversas sobre esta matéria".

Também André Silva, do PAN, disse estar "a analisar as especificidades das duas propostas apresentadas", notando que "por princípio concorda com as medidas estudadas pelo governo", que dão "corpo a um anseio social, nacional e internacional para que haja um maior equilíbrio efetivo no acesso a cargos de liderança e a cargos de gestão na função pública".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.