Mais de metade do território "está em risco de desertificação"

Observatório de Luta Contra a Desertificação vai estudar processos de evolução do ponto de vista físico, económico e social dos territórios mais desfavorecidos

O secretário de Estado das Florestas disse hoje que 52% do território nacional está em risco de desertificação e adiantou que estão a ser desenvolvidos vários projetos, entre os quais um Observatório Contra a Desertificação.

"O Observatório de Luta Contra a Desertificação irá permitir ter boa informação sobre os processos de evolução do ponto de vista físico, económico e social dos territórios mais desfavorecidos", explicou Miguel Freitas.

O governante deslocou-se a Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, para presidir à cerimónia de adesão do município à Rede Internacional Biorregiões. "Atualmente, 52% do território nacional está em risco de desertificação", sustentou.

Adiantou ainda que estão em desenvolvimento outros projetos, como a Dieta Mediterrânica e Paisagens Alimentares e também no âmbito da agricultura biológica associada às biorregiões. "Estas são três ideias que estamos a desenvolver e que queremos aprofundar na rede rural. Os municípios são essenciais em todo este processo, porque isto faz-se com modelos de governação territorial", disse.

Miguel Freitas sublinhou que não existem territórios que sejam ingeríveis em Portugal ou que devem ser excluídos ao nível do desenvolvimento. "Queremos fazer de Portugal um país mais desenvolvido e que seja um todo e não apenas uma parte", frisou.

O governante sublinhou que o desenvolvimento só é construído se conseguirmos respeitar a diversidade dos territórios. "Isso é fundamental para fazermos o caminho que queremos", afirmou.

Já em relação à limpeza das florestas, adiantou que neste momento ainda não tem uma avaliação global do que está a acontecer. "Temos feito um enorme esforço para fazer chegar a mensagem. Todos temos que fazer o que está ao nosso alcance. Se o fizermos, certamente que o ano de 2018 será melhor do que o ano passado. O primeiro sinal que queremos dar aos proprietários e que têm de limpar o que é seu para proteger o que é seu e para proteger o que é do vizinho", disse.

Adiantou que a avaliação será feita no final de março, mas deixou claro que, além dos proprietários, todos têm que fazer o que é preciso: o Estado e as autarquias.

"O Estado através do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, que tem um plano em curso para limpar as matas públicas e as áreas públicas florestais, e as autarquias têm que agir quando os proprietários não limparem", sublinhou.

Miguel Freitas acrescentou que as prioridades foram claramente definidas, sendo que há 19 áreas que em Portugal, este ano, estavam com maior perigosidade ao nível de incêndios florestais. "Definimos mais, não só ao nível do concelho, mas das freguesias e até das aldeias. Há 6.400 aldeias que estão em maior risco de incêndio", afirmou.

Já quanto à posição dos autarcas sobre o assunto, o governante sublinhou que a mensagem que tem sido passada aos autarcas é que é preciso fazer aquilo que é possível. "Foi essa a mensagem que o primeiro-ministro passou. Se todos fizermos o que é possível quase chegaremos ao impossível", frisou. O secretário de Estado das Florestas admitiu que haverá zonas que ficarão por limpar porque "não é possível limpar o país todo".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.